Palmeiras empata com o Santos no Allianz Parque

Muita chuva, muitas faltas, muita tensão e pouco futebol. Eis um resumo possível do clássico Palmeiras e Santos realizado na tarde deste sábado (20) válido pelo Paulistão 2016. O time praieiro esteve mais próximo da vitória, mas Fernando Prass fez a diferença, com boas defesas. No fim das contas, o empate por 0 a 0 acabou sendo confirmado. Pior para nós.

O primeiro tempo do clássico teve como marca a falta de efetividade das duas equipes. O Santos teve mais posse de bola, mas sem se aproveitar disso com eficiência, enquanto o Palmeiras não soube encaixar um contra-ataque rápido nos momentos em que estava com o domínio das ações.

Resultado: inúmeros passes errados, especialmente nas horas decisivas, cruzamentos mal concretizados, chutes para longe, cabeçadas sem perigo e coisas assim. Aos 38 minutos, o Santos fez um gol, mas Gabi Gol estava impedido, ao aproveitar bola mal rebatida por Fernando Prass em arremate de Ricardo Oliveira, que fez mais faltas do que levou perigo ao Verdão.

O Palmeiras a rigor não chegou com perigo ao gol santista. O mais próximo disso ocorreu em bom passe de Lucas para Alecsandro, que cruzou na área aos 39 minutos, sem que ninguém conseguisse se aproveitar. Aos 41 minutos, a defesa do Santos falhou feio, mas Alecsandro se enrolou e não conseguiu aproveitar.

O Santos voltou melhor para a etapa final, embora a primeira chance real de gol tenha sido favorável ao Verdão, com Dudu chutando forte e obrigado Vanderlei a fazer boa defesa logo a 2 minutos. Aos 12 minutos, Gabi Gol ficou cara a cara com Fernando Prass, mas chutou para fora, para nossa sortre.

Gabriel Jesus entrou na partida aos 14 minutos do segundo tempo, e quase marcou aos 18 minutos, com Vanderlei espalmando. A forte chuva impedia um futebol muito vistoso, mas o Santos chegava mais, com o Palmeiras só eventualmente se aproximando da meta adversária, quase sempre de forma fraca.

O duelo Gabi Gol x Fernando Prass continuou aos 31 minutos, com Joel fazendo bom cruzamento para o atacante santista finalizar e nosso goleiro espalmar com rara felicidade para escanteio. Patito Rodrigues aos 37 minutos e novamente Gabi Gol aos 45 minutos testaram Prass, que se virou como pôde nas duas ocasiões. Mais um empate, o terceiro no torneio em apenas cinco jogados.

As notas dos jogadores do Palmeiras:

Fernando Prass8,0– Garantiu o empate com pelo menos três defesas dificílimas, e boas saídas do gol.

Lucas5,5– Jogou com muita garra e até fez alguma coisa, mas ainda está bem abaixo do seu padrão de 2015.

Roger Carvalho5,0– Sem brilho, mas também sem grandes falhas.

Vitor Hugo6,5– Muita garra e bons desarmes em momentos importantes.

Zé Roberto7,0– Outra grande partida. Pena que o time não o tenha acompanhado.

Thiago Santos5,0– Muita disposição e luta, embora continue errando passes. Saiu aos 25 minutos do segundo tempo substituído por Arouca-4,5, que foi discreto.

Matheus Sales4,0– Sem muita confiança, errou passes e não foi muito efetivo no apoio ao ataque. Saiu aos 14 minutos do segundo tempo, dando sua vaga para Gabriel Jesus-4,0, que entrou com tudo mas logo perdeu o embalo.

Jean4,0– Sem o brilho que dele se espera.

Robinho5,5– Ao menos tentou fazer o time criar boas oportunidades, embora sem muita inspiração. Saiu aos 30 minutos do segundo tempo substituído por Regis-sem nota-, que não foi visto em campo.

Dudu5,0– Afora um bom chute na etapa final, muito apagado na partida.

Alecsandro5,5– Muita garra e disposição, mas a bola não chegou praticamente nunca para ele. Aí, fica difícil…