Palmeiras empata com o Rosario Central na Argentina

Foi uma partida repleta de alternativas e de falhas de parte a parte. No fim das contas, um empate de 3 a 3 entre Rosario Central e Palmeiras na Argentina na noite desta quarta-feira (7) mantém o time brasileiro com chances de classificação na Libertadores 2016, embora essas chances não sejam muito grandes. O famoso “matematicamente”. Ficamos na torcida.

Logo a 20 segundos de partida, a defesa do Rosario Central quase dá de presente um gol para o Verdão. O aparente nervosismo do time argentino se repete a seguir com passe errado para trás de Musto, que Gabriel Jesus soube aproveitar com categoria para abrir o marcador para o time visitante, aos 4 minutos.

Marcando bem e pressionando o adversário, o Palmeiras quase amplia o marcador aos 12 minutos, com Robinho chutando forte para boa defesa do goleiro adversário. Só aos 15 minutos a equipe da casa trouxe algum perigo à meta alviverde, em cabeçada de Marco Ruben que foi para fora.

A partir do meio da etapa inicial, no entanto, o que se viu foi o time argentino avançando e o brasileiro todo atrás. Pior: errando passes e cometendo faltas bestas, daquelas que ocorrem por pura afobação. E graças a uma delas, feita por Thiago Martins, que Donatti cobrou forte, a bola desviou em um jogador alviverde e morreu na meta de Fernando Prass.

A partir daí, o jogo virou um sufoco. Fernando Prass fez grande defesa aos 38 minutos. Quando o melhor parecia ser o fim do primeiro tempo com o empate, a redenção. Robinho bate falta aos 44 minutos e Gabriel Jesus, desta vez de cabeça, desvia do goleiro e marca novamente. Fernando Prass ainda faria uma defesa fantástica aos 47 minutos, em bela cabeçada de Herrera.

Logo a 2 minutos do segundo tempo, a oportunidade de matar a partida veio com um bom contra-ataque. Gabriel Jesus chutou forte e a bola bateu na trave, sendo que Robinho arrematou no rebote e o goleiro defendeu. Na sequência, o castigo: em cobrança de falta ensaiada, aos 5 minutos, Cervi recebeu livre e empatou a partida. O sufoco começou de novo.

Com duas alterações (Lucas Barrios na vaga de Alecsandro e Zé Roberto na de Robinho), Cuca tentou arrumar as coisas. Aí, Vitor Hugo fez um pênalti besta em Musto. Marco Ruben cobrou com segurança e colocou a equipe argentina na frente do placar pela primeira vez. Aos 25 minutos, o Verdão manda nova bola na trave do adversário. A sorte parecia ir embora.

Fernando Prass fez duas grandes defesas, aos 25 e 28 minutos. Aos 28 minutos, aparentemente o golpe final: Gabriel Jesus perde a cabeça e revida agressão de jogador argentino na frente do juiz. Cartão vermelho. Perdendo e com um a menos em campo? Caixão e vela preta, era o que parecia estar a caminho.

Só que não. Em cobrança de falta, Lucas Barrios recebeu na grande área aos 31 minutos e finalizou sem chances para o goleiro adversário. 3 a 3. A partir daí, vimos o Palmeiras sem conseguir encaixar um contra-ataque e o Rosário pressionando, levando Prass a fazer novas grandes defesas. E o empate foi sacramentado.

As notas dos jogadores do Palmeiras:

Fernando Prass7,5– Tomou três gols, mas impediu pelo menos uns quatro, com defesas realmente sensacionais.

Jean4,0– Muito apagado durante toda a partida.

Thiago Martins4,5– O garoto tem futuro, mas ainda comete erros básicos, e um deles custou um dos gols do Rosario Central.

Edu Dracena4,0– Ainda muito fora de jogo. A surpreendente estratégia de três zagueiros não deu certo.

Vitor Hugo4,5– Muito abaixo do seu rendimento habitual,  e ainda fez um pênalti besta.

Egídio6,0– Não fugiu do pau, correu muito e se mostrou efetivo na parte ofensiva, mesmo com alguns erros de passe.

Gabriel5,0– Ainda precisa jogar mais para recuperar o pique de 2015. Saiu aos 48 minutos do segundo tempo substituído por Lucas- sem nota.

Matheus Sales5,0– Discreto e não muito seguro.

Robinho5,5– Errando passes e não muito inspirado, mas presente nos gols e buscando alternativas para a armação do jogo. Saiu aos 15 minutos do segundo tempo substituído por Zé Roberto-5,0, cujo desempenho não foi muito feliz.

Gabriel Jesus6,5– Fez dois golaços e tinha tudo para ser o nome do jogo, mas perdeu a cabeça e foi expulso de forma infantil aos 28 minutos do segundo tempo, prejudicando o time. Precisa aprender a aguentar as provocações dos adversários, algo corriqueiro para quem joga bem como ele.

Alecsandro5,5– Se não brilhou, estava fazendo uma partida ao menos interessada e com alguns bons momentos. Saiu aos 12 minutos do segundo tempo, dando sua vaga a Lucas Barrios-5,5-, que fez um gol de puro oportunismo e não conseguiu render melhor por sentir contusão logo a seguir.