Palmeiras é goleado pelo Água Santa no Paulistão

Como diria Flávio Canuto, o pesadelo parece não ter fim. Quem poderia esperar que o Palmeiras seria capaz de perder para a equipe do Água Santa? E ainda mais, ser goleado, pelo placar de 4 a 1? Pois foi precisamente o que ocorreu na tarde deste domingo (27) de Páscoa que, para o torcedor alviverde, teve mais jeito de sexta-feira da Paixão. Um horror. Um horror total.

O início da partida parecia dos mais promissores. O Palmeiras entrou marcando mais firme do que nas partidas anteriores, e logo a 1 minutos Robinho chutou forte e a bola bateu na trave do adversário. Aos 7 minutos, foi a vez de Allione ameaçar a meta adversária. O Água Santa mostrava um setor defensivo frágil.

Aí, o tempo foi passando, o gol não saindo, e as coisas mudaram de figura. Aos 21 minutos, o zagueiro Gustavo ficou livre, mas cabeceou fraquinho, após cobrança de escanteio. Só que aos 34 minutos exatamente o mesmo tipo de jogada foi bem finalizada pelo zagueiro. 1 a 0 para o time de Diadema.

Após quase tomar o segundo, em jogada de Pedro, o Palmeiras teve ótima chance, mas Robinho e Rafael Marques se atrapalharam e o segundo chutou a bola na arquibancada. Aos 41 minutos, Gustavo desloca Edu Dracena na área. Pênalti, que Robinho converteu aos 43 minutos.

Enfim a redenção? Pura ilusão. Logo a seguir, aos 44 minutos, o Água Santa veio em contra-ataque rápido e passou como quis pela atrapalhada defesa alviverde, com Everaldo marcando. Bruninho quase marca aos 47 minutos, mas não desperdiçou aos 48 minutos. Inacreditáveis 3 a 1 para o Água Santa, e acaba o primeiro tempo.

Com João Pedro e Regis nas vagas de Lucas e Thiago Santos, o Palmeiras voltou pressionando, como seria de se esperar, e a defesa da equipe de Diadema mais uma vez dava pinta de que poderia colaborar com nossa reação. Mas como fazer gols, com os jogadores errando cada finalização, cada passe decisivo?

Aí, as 21 minutos, a pá de cal. Em cobrança de escanteio, Roger Carvalho subiu de forma atabalhoada e fez, de cabeça, o quarto gol do Água Santa. A partir daí, a burocracia habitual prevaleceu, com os jogadores do Verdão errando a granel e chutando petelecos no gol adversário. Que, aos 40 minutos, acertou uma bola na trave de Fernando Prass em chute forte de Francisco Alex.

Nos últimos minutos, o time treinado há menos de 48 horas por Márcio Bittencourt, que estava mais fora de cena do que ator de novela de rádio, ensaiou um olé no time grande da capital. Quarta derrota seguida de Cuca, e a prova de que as soluções ainda andam longe para a crise técnica do time.

As notas dos jogadores do Palmeiras:

Fernando Prass4,0– As bolas que vieram, entraram, e além disso ainda mostrou a mesma apatia dos colegas de time. Até tu?

Lucas1,0– Chega a ser inacreditável a má fase de Lucas. Inacreditável. Saiu no intervalo substituído por João Pedro2,0-que manteve o baixo padrão pelo setor direito da defesa alviverde.

Roger Carvalho1,0– Além da má partida, ainda fez um gol contra. Meu Deus!

Edu Dracena3,5– Totalmente fora de jogo e totalmente perdido, junto com o resto do setor defensivo do Palmeiras.

Egídio4,5– Mais efetivo do que os colegas de defesa, o que, na partida de hoje, não significou muita coisa.

Arouca1,0– Inoperante na marcação e inoperante na armação

Thiago Santos5,0– Estava fazendo a sua parte, mas o resultado acabou levando para sua substituição no intervalo, trocado por Regis2,0-que não conseguiu ser visto em campo.

Robinho4,0– Fez o gol de “desonra” e não muito mais, errando passes, cobranças de falta e tudo o mais.

Allione2,0-Passou batido pela partida. Nada, nada, nada.

Erik2,0– Ainda está muito tímido e inseguro, o que gerou vários gols perdidos e erros de passe bisonhos. Será preciso muita calma para não queima-lo nesse momento lamentável do time. Saiu aos 14 minutos do segundo tempo substituído por Zé Roberto1,0-, que não parece nem a sombra do que já foi.

Rafael Marques1,0– Os piores chutes da partida, de longe. Aquecedor de goleiros, é o que ele virou…Reage, rapaz!