Ouvintes Mondo Palmeiras entrevistam Vagner Love

vagner_love1

Confira a entrevista, com perguntas enviadas por ouvintes de Mondo Palmeiras, que foram enviadas ao atacante Vagner Love lá na Russia. Selecionamos algumas perguntas bem pesadas, e ele não fugiu não…veja você mesmo:

Antes de mais nada, Vagner, gostariamos que voce esclarecesse o episódio da “apresentação” como jogador do Corintians. O que aconteceu de verdade? Voce sabia que estava sendo “anunciado” como reforço da marginal sem número?Voce sabia das camisas que eles tinham colocado a venda? Explique o que aconteceu, porque isso deixou a torcida do Palmeiras bem revoltada com voce.

Foi bom vocês terem feito essa pergunta para que eu possa esclarecer esse assunto de uma vez por todas. Naquela época eu não queria ficar na Rússia de jeito nenhum e o clube que demonstrou interesse em me contratar foi o Corinthians. Mas a verdade é que não tinha nada certo naquela coletiva que dei e eu não fazia ideia de que já tinham até me anunciado como jogador do Corinthians, mesmo sem nada assinado.

É importante deixar claro que eu não vesti nenhuma camisa do Corinthians. Se tivesse vestido as TVs e jornais teriam essa imagem, já que a quantidade de jornalistas presentes era grande. O que aconteceu é que uma pessoa de uma loja apareceu com uma camisa com o meu nome e a imprensa começou a tirar fotos e filmar, foi uma situação armada para criar polêmica e vender camisas com meu nome, mas é claro que eu não esperava aquilo, não sabia que iria acontecer daquela forma.

Como você chegou ao Palmeiras? De onde voce veio e quem te trouxe?

Comecei no Bangu, passei pelo Campo Grande (RJ) e tive uma passagem pelo Vasco, nas categorias de base. Com 16 anos, no final de 2000, fui para o São Paulo.

Chegando lá fui aprovado nos testes que fiz, mas não resolveram minha situação e acabei saindo. Como não deu certo no São Paulo, eu pulei o muro e cai na academia do Palmeiras, em 2001. Quem me levou para o Palmeiras foi o Evandro, que é meu empresário há muito tempo.

Como você se sentiu ao perder aquela copa SP de 2003 para o Sto André? E ainda sendo roubado pela arbitragem?

Nossa, realmente foi muito difícil para todos nós que estávamos naquele grupo. Era uma oportunidade muito boa para nós e muitos ali estavam no último ano de juniores. Aquela era a grande chance e todos falavam que aquele era o melhor time de juniores que o Palmeiras já havia montado.

Esperávamos ser campeões, mas infelizmente isso não aconteceu e em minha opinião fomos um pouco prejudicados sim pela arbitragem.

Você subiu pro time principal numa “fria” total. O Palmeiras tinha acabado de ser goleado pelo Vitoria no Palestra,e dai varios jogadores foram dispensados. Voce encarou o desafio e venceu no clube.Mas conta pra gente como foi aquele momento? Voce achou que nao ia segurar a onda?

Na verdade eu subi logo que acabou a Taça São Paulo de Juniores. Disputei o campeonato Paulista, não joguei muito, só entrei em alguns jogos. Naquele jogo contra o Vitória eu já estava no banco e depois disso comecei a jogar. Ali vi que tinha a chance de me firmar no time titular, aproveitei minha oportunidade e dei meu máximo. Graças a Deus deu tudo certo e consegui ajudar o Verdão a subir para a primeira divisão.

Quem foi seu melhor parceiro no ataque palmeirense? Edmilson ou Muñoz?

O Edmilson. Até porque a gente tinha jogado junto nos juniores e isso ajudou muito, pois já tínhamos um entrosamento.

O que você sentiu quando vencemos o Sport no pasto de Garanhus,e sacramentamos nossa volta a série A? Foi uma sensação de dever cumprido?

Subir era o nosso grande objetivo e trabalhamos o ano inteiro para aquilo acontecer. Quando conseguimos fiquei feliz da vida, pois além de atingir nosso objetivo, demos uma alegria ao torcedor palmeirense, depois de um ano muito difícil.

Nós éramos lideres no Brasileiro 2004, e tinhamos chances de sermos campeões até que venderam você a preço de banana pra Russia. O Mustafá, presidente na época, fez algum esforço pra ter segurar, ou voce saiu porque nao dava pra recusar a proposta que te fizeram?

A verdade é que eu queria muito ficar. Pedi aumento duas vezes e o Mustafá não quis me dar. Aí chegou uma proposta financeiramente muito boa e ele novamente não quis conversar, me dar um aumento de salário.

Acabei pensando na minha família e saí. Mas concordo que se eu não tivesse saído, brigaríamos pelo título naquele ano.

Como é ser treinado pelo Zico? Como é o seu relacionamento com os Russos do Clube?Existe muito Racismo por aí? As torcidas russas são fanáticas igual as daqui?

Ser treinado pelo Zico é maravilhoso porque ele é um ídolo mundial e também é uma pessoa que entende muito de futebol. Estou aprendendo muito com ele. Meu relacionamento com os russos é muito bom, nunca tive nenhum problema com ninguém, nem jogadores, nem torcedores, pelo contrário, sou super bem tratado. Acho que conquistei muito respeito dentro de campo, fazendo gols e ganhando muitos títulos.  Aqui existe muito racismo sim, mas graças a Deus comigo nunca houve nada. As torcidas aqui são fanáticas, torcem até o final, mas não têm o calor que os torcedores brasileiros têm. A torcida daí tem muitas coisas diferentes, mais criativas.

vagner_love2Você recebeu alguma proposta ou sondagem de um grande clube da Europa?

Até agora houve muitas especulações, mas nada concreto. Apenas o Stuttgart fez um contato com a diretoria do CSKA. Na última janela de transferências, dois clubes ingleses fizeram propostas oficiais, mas o CSKA não quis me vender.

Como era o relacionamento daquele time que jogou a série B? Era bom como parecia, ou haviam problemas de relacionamento? E seu relacionamento com o Jair Picerni, técnico na época?

Era muito bom trabalhar com aquele grupo, era muito fechado. Nunca tivemos nenhum tipo de problema. Se houvesse, com certeza saberíamos contornar, pois éramos muito unidos.

O Jair Picerni foi um paizão para mim, me ajudou muito. Me deu vários bons conselhos e sou grato a ele até hoje. Foi um treinador que me deu uma oportunidade de ouro depois do episódio da Taça São Paulo.

Por que você saiu dos juniores do São Paulo?

Para dizer a verdade até hoje eu não sei bem a história, mas disseram que houve um problema com um diretor, envolvendo dinheiro. Sinceramente não sei bem o que aconteceu.

Você acha que o grupo da Seleção já está fechado, ou ainda dá pra cavar uma vaga ali?

Acho que está praticamente fechado, mas vou brigar por uma vaguinha até o fim.

Qual a dificuldade de você voltar para o futebol brasileiro, mais especificamente o Palmeiras?

O principal problema é que dificilmente o presidente do CSKA me liberaria para o Brasil, ainda mais por empréstimo.

Voce sempre se diz um torcedor do Flamengo. Voce tem raiva do Palmeiras por algum motivo? Voce voltaria a jogar no Palmeiras algum dia?

Sou carioca e nunca escondi que o Flamengo era o meu time de infância, que eu torcia. Mas tenho um carinho muito grande pelo Palmeiras e pela torcida, pois foi um time que me deu a maior oportunidade da minha vida, de jogar profissionalmente. Eu jogaria sim no Palmeiras novamente com muito prazer.

uol_logoClique aqui para ouvir Mondo Palmeiras no UOL Mais (link alternativo).