Os Laterais e o Matador

Foi só a estréia. Obviamente, muitas coisas ainda precisam ser ajustadas, e é bom que seja assim. O ano apenas começou, e o time tem de estar nos eixos mais para frente. Tem também jogadores que ainda irão estrear. Mas não dá para negar: a primeira atuação do Palmeiras 2008 foi bem promissora. Flávio Canuto deu show de bola na análise da partida, e eu irei me deter em dois pontos muito importantes: os laterais e o matador.

Comecemos por Leandro e Elder Granja. Na minha opinião, avalizada pelo polêmico Goleiro Verde, o desempenho de Leandro contra o Sertãozinho superou tudo o que ele conseguiu apresentar em todo o ano passado. O cara correu muito e deu dois cruzamentos perfeitos, um para o primeiro gol, pelo alto, e outro por baixo, para o terceiro. Como ele teve a melhor fase de sua carreira sendo orientado pelo Luxa, sua performance tende a voltar aos bons tempos.

Elder Granja não jogava há muito, e até sentiu cãibras, mas deixou claro para quem entende de futebol que a camisa dois verde está em boas mãos. O perfeito cruzamento que fez para o segundo gol parecia ter sido feito com as mãos. Arce enfim terá um substituto à altura.

Quanto ao Alex Mineiro, sou bem transparente. Quando fiquei sabendo de sua contratação, tinha lá minhas dúvidas, pois só lembrava dele arrebentando no Brasileirão de 2001. Ou seja, temia que ele fosse um “jogador de 2001”. O cara já me provou que não só mereceu o benefício da dúvida que sempre dou a todo jogador que começa a vestir o manto sagrado, como que irá nos dar muitas alegrias.

Fez dois golaços de cabeça, em duas conclusões conscientes, e iniciou de forma brilhante a jogada que resultou no gol de William, querido atleta Mondo Palmeiras. O cara tem presença de área, sabe se mexer e é frio feito uma geladeira, na hora de concluir. Como diria o glorioso palmeirista e grande amigo jornalista Cleber Juriti, “habemos matador”!