O Verdão inicia um novo campeonato: será que eu agüento?

Por Fabian Chacur

A poeira já baixou, a Copa do Brasil 2011 já foi para o espaço e o Paulistão do mesmo ano, idem na mesma data.

Domingão, dia 22, às16h, contra o Botafogo carioca, começa tudo de novo. Será dada a largada do Brasileirão 2011.

Tenho certeza de que muitos torcedores estão com aquela dúvida formigando na cabeça.

Será que vale a pena acompanhar mais uma vez o Palmeiras em uma competição, levando-se em conta o histórico recente dessa maravilhosa e tradicional agremiação esportiva?

Analisando a bagunça que nossos queridos dirigentes aparentemente não conseguem resolver nunca, de alguns atletas entrando e não saindo nunca do departamento médico, de jogadores que nunca passam de esperanças etc, a resposta racional é um categórico não.

Melhor deixar para lá e encarar outras atividades, como ouvir música, ir a shows, acompanhar o futebol internacional, basquete, boxe, full contact, fazer ioga ou coisa que o valha, não é mesmo?

Não, não é! Nem a pau! De jeito maneira! De forma alguma! Nem que a vaca tussa em aramaico ou latim arcaico!

Sabem porque? Porque na verdade eu, você, nós todos que freqüentamos os estádios, as lojas especializadas, os sites e blogs como Mondo Palmeiras etc não somos só fanáticos.

Conformem-se. Somos viciados nesse troço alviverde. Nesse troço, uma ova! Nessa maravilhosa entidade futebolística que, em agosto de 1914, surgiu para tomar de assalto o planeta bola.

Que ganhou inúmeros títulos, que foi considerado o campeão do século 20 no Brasil, que levou o nome desse país para todos os cantos, sempre com honra, dignidade e classe.

Que consagrou atletas do gabarito de Ademir da Guia, Evair, Leão, Luis Pereira, Alfredo Mostarda, César Maluco, Leivinha, Marcos, Edmundo, César Sampaio, Zinho, Toninho Catarinense (aquele centroavante dos anos 70, meu ídolo de moleque, junto com o César Maluco), etc etc etc.

Graças ao fato de torcer para esse clube, tive a honra de conhecer gente como Raul Bianchi, Flávio Canuto, Marcelo Covoes, Cláudio Romano, Vladimir Rizzetto, Alexandre Damiano, Flávia Camargo, José Carlos Damiani, Giovanni Dell’Isola Neto, André Nery, Maurício Rito, Carlos Nishimyia etc etc etc (e aqui, o número de etcs extrapola o sistema solar!).

Quer saber? Ganhou, a gente comemora. Perdeu, a gente chora e fica pê da vida, mas sempre juntos! É isso que vale. Vamos seguir a minha teoria do dogma.

O católico acredita na virgindade da Virgem Maria. Qual prova ele tem de que isso é fato? Nenhum. Nem matéria no Fantástico, nem dossiê no Wikileaks, nem coisa alguma. Ele acredita. Simples assim.

Seguindo esse raciocínio, eu acredito que o Palmeiras possa ser campeão brasileiro em 2011. Porque? Quais razões me levam a crer nisso? Nenhuma racional, certamente. Eu acredito. Só isso. Dogma!

E segue a vida. Como diria meu amigo Guilherme Arantes (infelizmente não palmeirense, fazer o que?), “vivendo e aprendendo a jogar, nem sempre ganhando, nem sempre perdendo, mas aprendendo a jogar”.

Vai, Verdão, detona essa eme de Bostafogo!