O preço da fraqueza dentro e (principalmente) fora de campo…

Existem dois tipos de times grandes. Um deles sempre entra numa competição para decidir, tem o respeito dos adversários e os árbitros temem cometer qualquer tipo de erro contra ele.

O outro entra para disputar uma competição dizendo que busca o título, que pretende honrar as suas tradições, etc. Quando a bola começa a rolar, no entanto, o discurso logo é esquecido. Os adversários, mesmo os menos badalados, não demonstram nenhum respeito e os árbitros quase sempre erram contra essas equipes.

Por conta de sucessivas administrações, ineptas para lidar com o mundo do futebol moderno, o Palmeiras hoje faz parte dessa segunda categoria de time grande.

O pênalti não marcado ontem, no final da partida contra o Grêmio, é apenas mais uma prova disso.

Vamos encarar o mesmo Grêmio pela semifinal da Copa do Brasil e, temos que pressionar CBF, comissão de arbitragem, FIFA, ONU e escambau para que tenhamos ao menos uma arbitragem isenta nesses duelos que podem nos levar a uma final de campeonato (coisa rara nos últimos anos).

Até mesmo Felipão, apesar de estar em péssima fase, pode nos ajudar muito nisso pois tem muito mais coragem (e mídia) do que toda essa diretoria amadora junta.

O que mais importa é que algo seja feito e que o palmeirense JAMAIS se acostume a torcer para um time péssimo…ou décimo, ou décimo primeiro.

Abraço a todos!