O Palmeiras é o Trump do Brasileirão?

Bem, antes de mais nada, esse post não é um nenhum tipo de endorsement ao novo presidente dos EUA. Eu jamais votaria num sujeito como aquele nem pra síndico de prédio, mas isso é o que menos importa aqui.

A ideia é analisar como os “especialistas” se comportam quando acontece algo que vai contra aquilo que eles esperam, desejam, torcem. E distorcem.

O Palmeiras lidera a competição há vinte e cinco rodadas, mas sempre tem algo para tentar desmerecer a campanha palmeirense. Primeiro, era a tabela do Palmeiras que era mais fácil do que a dos rivais. Faltava enfrentar os grandes clubes, jogar mais fora de casa, etc…

Passamos bem por quase todos os grandes e não nos enroscamos com os pequenos (o que tem sido uma constante na nossa história recente). Aí veio o papo do “CUCABOL”, pois o time não conseguia repetir as mesmas atuações do primeiro turno, mas continuava vencendo. E somando pontos.

Depois, o time não “sobreviveria” com as ausências de Fernando Prass e Gabriel Jesus. Era só uma questão de tempo para perder a liderança para o Flamengo, o clube que tem cheirinho de hepta, que tem uma torcida “especial”, apesar da torcida palmeirense ser a mais presente nos estádios deste Campeonato Brasileiro.

Agora, o papo da vez é um suposto favorecimento de arbitragem. Justamente com o time que foi prejudicado várias vezes na competição, inclusive contra o Flamengo. Dá pra levar a sério uma reclamação feita neste momento por um sindicato carioca?

Enfim, o que os “especialistas” projetam muitas vezes está distante da realidade e da opinião das massas. E parece que essa distância só aumenta.

Abraço a todos!