O dia em que torci contra o meu Palmeiras

Tenho de “agradecer” à atual diretoria do Palmeiras e a nosso elenco de 2010 por ter me proporcionado uma experiência inédita: torcer contra o time que tanto amo. Brigadão, viu, meus amigos? Amo vocês…bem longe de mim!

Em um campeonato no qual fomos indignos do início ao fim, até que a partida da tarde deste domingo (28) na gloriosa Arena Barueri não foi tão ruim.

Quem contribuiu para isso foi o time do Fluminense, que graças à sua incompetência e falta de maior determinação quase deixa escapar uma vitória mais do que garantida. 2 a 1 para eles foi o placar final.

Logo aos 4 minutos de partida, o zagueiro Leandro Eusébio deu um passe errado a la Toninho Cerezzo na Copa de 1982, oferecendo um presente de natal ao atacante Dinei.

Este, por sua vez, acertou um chute de direita que provavelmente repetirá lá por 2058, abrindo o marcador a nosso favor.

Quando o time treinado por Muricy Sem Dentes perdeu dois gols absurdos aos 13 minutos, ficou aquele clima no ar. Será que vamos fazer o serviço para nossos odiados rivais alvinegros?

Felizmente, Carlinhos passou pelo fraquíssimo Márcio Araújo e acertou um belo chute de direita, empatando a partida aos 18 minutos.

Até o final da primeira etapa, o que se viu fui um Fluminense perdendo inúmeros gols, ou por incompetência de seus jogadores, especialmente de Fred (totalmente fora de forma), ou pela ótima performance de Deola, que fez pelo menos três grandes defesas.

A parte final da partida viu Fred perder, aos 4 e 7 minutos, dois gols dignos do jogador que substituiu, Washington. Impressionante.

Aos 13 minutos, Deola cometeu sua única falha no jogo, rebatendo uma bola no meio da área após boa cobrança de falta. Tartá pegou o rebote e chutou com tranqüilidade, fazendo o segundo gol do Fluminense.

Um tento providencial, pois Tite e sua turma já estavam vencendo o inócuo Vasco da Gama, naquele momento, e assumindo a liderança do torneio. Com o gol do cara com nome estranho contra nós, não mais.

Daí até o final do jogo, só acertamos um chute no gol, de Kleber, aos 21 minutos. Por sua vez, o tricolor carioca criava pouco e abusava dos erros nas finalizações, nem parecendo uma equipe a uma única vitória de ser campeão brasileiro.

Quando o juiz apitou o final, dei graças a Deus. Que isso nunca mais ocorra em nossas vidas.

Ouviu, dirigentes alviverdes? E estou dizendo todos, não situação, oposição ou coisa que o valha.

E quem ousar dizer que entregamos os pontos para o Fluminense, só digo uma coisa: vejam o retrospecto do Alviverde Imponente no ano de 2010 e digam se seria inesperado um resultado como o de ontem. Só isso. Abraço a todos!