No último lance da partida, Palmeiras vence o Peñarol

Era evidente que a catimba seria a principal marca desta partida, mas não imaginava que seria tanto assim. O time do Peñarol veio ao Allianz Parque não com o objetivo de vencer a partida com a bola nos pés.

A ideia era irritar os palmeirenses, bater muito, atrasar o jogo e eles contavam com a ajuda do inexperiente árbitro. Alguém entendeu porque o Dudu foi expulso e o atleta que o impedia de bater a falta não foi advertido? Isso é Libertadores, uma várzea que a Conmebol quer vender como um torneio sério. Não é. Nunca foi.

Mas o Palmeiras é maior que tudo isso. O time entrou pilhado demais na partida e, embora tivesse o controle das ações na primeira etapa, não conseguiu ameaçar o gol do Peñarol.

Dudu tinha muito espaço pelo lado esquerdo, mas não conseguia passar a bola para o Borja que estava preso no meio da forte marcação dos uruguaios. Nada acontecia além de muitas provocações, jogadas ríspidas e a inércia do árbitro.

Pior que isso, fomos vítima do “caos aéreo” da defesa e levamos um gol de cabeça. Achei que este problema já havia sido resolvido lá atrás, mas parece que isso persiste.

Depois do gol, o Palmeiras perdeu o domínio das ações e foi até ameaçado pelo Peñarol. Sorte que os caras são muito ruins e erravam todos os passes quando chegavam próximos da área.

Para a segunda etapa, o Verdão voltou igual, mas com outro ânimo e conseguiu virar a partida em 10 minutos. Mais uma vez, o pequeno gigante Dudu e o ótimo Alejandro Guerra fizeram a diferença! É muita qualidade!

Para deixar a partida ainda mais dramática, Dudu foi derrubado na área e o árbitro marcou pênalti. Borja, que está ansioso demais para marcar mais gols, acabou tirando demais do goleiro.

Depois de um quase gol do Michel Bastos, que havia entrado no lugar de Borja, o Palmeiras acabou levando o empate. De novo, uma bola parada e uma falha da defesa. Aquele 2×2 era tudo que os uruguaios queriam para voltar a catimbar o jogo.

Mas o Palmeiras não desistiu da partida, Felipe Melo deixou o campo depois de levar um cartão amarelo, mas jogou muito bem! O Verdão foi com tudo pra cima dos caras e, os caras fizeram tanta palhaçada que o juiz deu mais cinco minutos de jogo.

Teve expulsão de árbitro, dois minutos “comidos” a cada substituição e ainda a absurda expulsão do Dudu, que comeu mais uns 5 minutos da partida.

O juiz acrescentou mais quatro minutos. Foi o bastante para o Fabiano marcar o gol da justa vitória palmeirense no último lance da partida e quase derrubar o Allianz Parque. Foi emocionante demais!!!

Não sei se isso é Libertadores, se é mata-mata, mas é uma sensação indescritível. Só quem acompanhou o jogo até o final, seja onde for, que sabe o que foi aquilo. Obrigado, Palmeiras…e vamos conquistar esse título!

Abraço a todos!