Misto do Palmeiras perde para reservas do Vasco

No futebol, vontade de vencer sempre significou muito. Nos tempos atuais, então, quando a diferença entre uma equipe e outra fica próxima do nada, esse quesito se mostra ainda mais decisivo. Se de um lado o time misto do Palmeiras apresentou desentrosamento e pouca vontade, especialmente na segunda etapa, os quase juvenis do Vasco correram o tempo todo, e acabaram se dando bem em sua estréia na Copa Sul-Americana. Três a um para a equipe carioca. No jogo de volta, em setembro, precisaremos de um dois a zero para seguir adiante na competição e quebrar a sina do técnico Vanderlei Luxemburgo de sempre se dar mal em competições internacionais.

Surpreendendo a todos, o Verdão entrou em campo com Jefferson, Maurício, Maicosuel e Denílson. Valdívia ficou de fora por causa de sua possível negociação com a Arábia. O Vasco optou por escalar seus reservas, com predomínio de juvenis com menos de 21 anos. Até os 16 minutos, criamos três boas chances, mesmo jogando de forma desorganizada, mas o time carioca vinha com perigo no contra-ataque. Aos 22 minutos, cruzamento oriundo da esquerda do ataque cruzmaltino alcançou Alan Kardec, que não perdoou. Apenas dois minutos se passaram quando Denílson fez bela jogada pelo meio e rolou para Elder Granja, que cruzou para finalização de Jefferson empatar a partida. Até o final dessa etapa, o equilíbrio prevaleceu.

Dando provas de que não anda em fase das melhores, Luxemburgo voltou para o segundo tempo com Diego Souza e Jumar nos lugares de Sandro Silva e Maurício. A equipe piorou, ficando com ainda menos pegada e dando generosos espaços para a apenas esforçada equipe vascaína. Logo aos 7 minutos, Mateus fez o segundo gol carioca, em passe de Alex Teixeira.

Aos 24, o apagado Denílson sai para a entrada do ainda mais apagado Lenny. Durante toda a etapa final, o Palmeiras não criou uma única jogada de perigo contra o gol de Roberto, enquanto o Vasco continuava nos criando problemas. Ironicamente, os comandados de Tita só chegaram ao terceiro gol aos 41 minutos graças a um pênalti duvidoso marcado por Leonardo Gaciba. Madson cobrou e deu números finais a uma partida na qual o Palmeiras esteve abaixo até mesmo das expectativas mais pessimistas, de tão mal que jogou. A rigor, salvaram-se Gustavo e Gladstone, e Bruno não teve culpa dos gols.