Mistão do Palmeiras perde para a Chapecoense

Por Fabian Chacur

Em partida na qual aproveitou para testar alguns jogadores e poupou a maior parte de seu time titular, o Palmeiras até que se esforçou, mas graças a uma bela vacilada de Juninho, um dos raros titulares em campo, perdeu na tarde deste sábado (30) para a Chapecoense, em Santa Catarina. O gol foi feito por Bruno Rangel em cobrança de pênalti bisonho cometido pelo lateral.

Foi a última partida do Palmeiras no Brasileirão da Série B de 2013, no qual conquistou o título com duas rodadas de antecedência e 79 pontos ganhos, sete a mais do que a própria Chapecoense, que ficou com o vice-campeonato e uma das vagas para disputar a Série A do Brasileirão em 2014.

Na etapa inicial, dava a impressão de que era o time de Chapecó, e não o de São Paulo, quem estava com inúmeros reservas. Após boa chance aos 4 minutos com Bruno Rangel chutando forte e exigindo boa defesa de Fábio, só deu Palmeiras, com boas oportunidades sendo criadas e ao menos uma, com Alan Kardec aos 20 minutos, fazendo o goleiro Nivaldo se virar para defender.

No finalzinho do primeiro tempo, o lateral Juninho acabou decidindo a partida. Ele, que já havia enfiado a mão na bola alguns minutos antes (possivelmente de forma involuntária), desta vez não deixou outra alternativa ao árbitro a não ser apontar a marca de cal. Pênalti grotesco, que o artilheiro da série B Bruno Rangel bateu com categoria, seu 31º gol na competição, aos 44 minutos.

Para a segunda etapa, Gilson Kleina pôs Bruno Oliveira na vaga de Wendel, e o lado direito da defesa alviverde virou uma avenida muito bem aproveitada pelo atacante Potita, que criou duas boas chances de gol por aquele setor aos 8 e 10 minutos. Ele também quase marcou aos 16 minutos de cabeça, em boa jogada da Chapecoense, que passou a dominar a partida.

Da metade para o final do segundo tempo, o time local se fechou e passou a apostar nos contra-ataques. O Palmeiras pressionou, mas pecou pela falta de pontaria de seus jogadores e não conseguiu o empate. A momento mais agudo ficou por conta de Alan Kardec aos 26 minutos, quando o nosso artilheiro fez bela jogada e finalizou para fora, tirando tinta da trave adversária.

As notas dos jogadores do Palmeiras:

Fábio – 6,0 – Tranquilo, fez ao menos uma boa defesa e nada podia fazer no pênalti.

Wendel – 6,0 – Bem na marcação e voluntarioso como de praxe. Foi substituído no segundo tempo por Bruno Oliveira , 4,0, que não foi bem no ataque e deu belos espaços aos atacantes adversários no setor defensivo. O nervosismo deve ter pesado um pouco.

Thiago Martins – 5,5 – Partida discreta, com direito a alguns passes errados e insegurança. Nada de se estranhar, em termos de uma estreia.

Thiago Alves – 6,0 – Discreto, jogou sério e salvou algumas bolas importantes durante o jogo.

Juninho – 4,0- Mesclou momentos até importantes em termos ofensivos com passes errados, pouca marcação e a instabilidade habitual. A derrota fica na sua conta, pois cometer um pênalti tão besta é inadmissível para um jogador já bem rodado no Palmeiras.

Egúren – 6,5 – Vinha bem na marcação e ajudando a liderar o time quando saiu contundido, aos 6 minutos do segundo tempo. Ananias – 4,0 – que entrou em seu lugar tentou ajudar o ataque mas se mostrou extremamente sem inspiração.

Charles – 5,5 – Muito esforçado, embora irregular. Deu sua vaga aos 27 minutos para Ronny – 4,0- que tentou botar fogo na partida mas não conseguiu muita coisa.

Felipe Menezes – 5,0 – Embora tenha melhorado na parte final da competição, Felipe não tem a menor condição de ser o meia armador titular de um time da tradição do Palmeiras.

Renatinho – 5,5- Lutou bastante e provou que merece novas chances em 2014.

Alan Kardec – 7,0 – Mesmo não muito bem assessorado por seu colegas, fez ótima partida e poderia ter feito um golaço na segunda etapa. De longe nosso melhor atacante.

Serginho – 6,0 – Correu muito, abriu espaços e deu trabalho à zaga da Chapecoense. Só não foi melhor porque sua pontaria estava muito ruim.