Miguel Borja: o novo caso de amor (e ódio) do torcedor palmeirense


A história se repete. Mudam os tempos, as tecnologias, mas a essência do ser humano é a mesma. E a torcida do Palmeiras também. Da mesma forma que chora por atletas do passado (alguns que viraram ídolos mesmo sem ganhar nada), o palmeirense também tem a mesma intensidade quando decide odiar alguém.

Parece que parte da torcida sempre precisa ter um alvo dentro do elenco. É como se houvesse ali aquele parente “vida-torta” sobre o qual muitas famílias gastam horas discutindo quando se reúnem, sabe? Talvez, esta seja uma necessidade do ser humano, dentre tantas outras tão mesquinhas.

Confesso que me sinto a vontade para falar sobre o Miguel Borja. Desde a sua chegada, eu duvidava da sua capacidade técnica como atleta. As pessoas olhavam para ele e viam um atacante rápido e habilidoso. Um verdadeiro matador e que era apenas questão de tempo para tudo dar certo. Não era.

O clube pagou, de fato, muito dinheiro por um jogador diferente do que aquele que a torcida idealizava. Apesar de suas limitações, o Borja jamais se acomodou por aqui. Ele tenta se adaptar ao futebol praticado no Brasil, ao estilo dos treinadores que o dirigiram, e eu o admiro por isso.

O Miguel Borja jamais pediu para deixar o clube mesmo diante da ascensão (e queda) do Deyverson. Eu até deixei de criticá-lo por conta disso. Pelo menos para mim, é impossível deixar de notar o empenho do atleta e que se tornou artilheiro do time em 2018.

Isso tudo, no entanto, não basta para quem insiste em ver no Borja aquele centroavante cerebral que nunca existiu. A cobrança sobre ele, e sobre outros atletas, segue forte e ninguém sabe onde isso vai terminar.

Não custa lembrar que o Deyverson é um jogador que não dá pra contar e o Arthur ainda não está pronto para ser o centroavante titular do Palmeiras. Talvez mais pra frente.

Só sei de uma coisa: essa cobrança excessiva e fora de hora vai acabar comprometendo o desempenho do time nesta temporada tão promissora para o Palmeiras.

Abraço a todos!