3×2? Miguel Borja faz três gols em empate com o Cruzeiro

Foi um grande jogo. Uma das melhores partidas desse campeonato marcado pelo baixo nível técnico das equipes e pelas péssimas arbitragens. Não dá nem pra acreditar que esse Palmeiras foi o mesmo que perdeu em casa para a Chapecoense, para o Atlético-PR, etc…

Um gol contra, num erro infeliz do zagueiro Juninho, acabou facilitando a vida do Cruzeiro. Depois disso, o time do Mano Menezes que ficou mais tranquilo no jogo e se fechou lá atrás. Mesmo assim, o Palmeiras foi valente e mais uma vez tocando bem a bola conseguiu o empate com o Borja.

Depois do 1 a 1, essa torcida maravilhosa empurrou o time e o Cruzeiro ficou acuado lá atrás. Perdemos duas chances incríveis, uma com o Keno e outra com o Dudu, que deveria ter chutado direto para o gol e tentou tocar não sei pra quem. Não dá pra desperdiçar uma oportunidade tão clara numa partida tão decisiva.

Mas o Palmeiras conseguiu desempatar o placar com um golaço de cabeça do Miguel Borja. O colombiano havia sido agarrado primeiro pelo zagueiro Manuel e depois também o segurou. Se todo “agarra-agarra” for marcado pela arbitragem, teremos muitos pênaltis e faltas marcadas em praticamente todos os escanteios e jogadas bolas paradas, concordam? O Heber Roberto Lopes, não. O gol de Obina (ou Borja) foi anulado.

Enfim, se as chances fossem aproveitadas e o gol não fosse injustamente anulado, o Palmeiras poderia “resolver” o jogo ainda no primeiro tempo. Isso não aconteceu e o Cruzeiro voltou melhor no início da segunda etapa, se aproveitando da fome palmeirense para marcar o segundo gol.

O Prass ainda foi obrigado a fazer boas defesas, mas o destino fez com que ele levasse um gol quase de cobertura do Robinho, aquele mesmo. Foi difícil depois para o time se encontrar depois do segundo gol cruzeirense, mas ainda conseguimos o empate, num outro golaço do Miguel Borja. HAT-TRICK!

A única coisa que não gostei, além da arbitragem, foi da entrada do Roger Guedes que segue jogando apenas para ele e jamais coletivamente. Agora, é dérbi, a mãe de todas as batalhas, e podemos diminuir ainda mais a distância para o líder. Ainda dá? Por tudo que tenho visto em campo, dá pra acreditar, sim.

Abraço a todos!