Mendonça erra, Cruzeiro agradece e goleia

24 minutos do primeiro tempo. Após sofrer pressão inicial do Cruzeiro, o Palmeiras havia equilibrado a partida, e criou duas grandes chances de gol, uma em belo chute de fora da área de Martinez, que o goleiro Fábio desviou com categoria para escanteio, e outra de Gustavo, que mandou violenta cabeçada na trave adversária.

Aí, o lance que definiu a partida: Pierre Seleção, que já havia tomado um cartão amarelo absurdo aos quatro minutos, matou o contra-ataque mineiro em carrinho lícito, na bola, algo confirmado pelos analistas de arbitragens da Globo (Arnaldo César Coelho) e da Bandeirantes (Godoy).

O sempre péssimo Wilson de Souza Mendonça, no entanto, viu falta violenta de nosso volante, e o mandou para o chuveiro antes da hora. Não por acaso, dois minutos depois, quando nossa equipe ainda não havia se recuperado do baque, gol do time azul celeste. Aos 39, saiu o segundo, quando o Verdão ainda tentava se reorganizar, com Francis entrando no lugar de Edmundo.

Na segunda etapa, Caio Jr. resolveu impulsionar o time para frente, colocando Max no lugar de Caio, que, por sua vez, havia entrado no jogo com a responsabilidade de substituir Valdívia, contundido pelo zagueiro/cangaceiro do São Paulo, no jogo de quarta. Resultado: o time pressionou, mas não tinha poder algum de criação, e, aos 11 minutos, tomou o terceiro gol, em mais uma jogada de contra-ataque.

A partir daí, Cruzeiro e Palmeiras tornou-se um longo, longo velório para a torcida verde, pois os jogadores, com as exceções de Gustavo e Makelele, literalmente jogaram a toalha. Nesse clima, ainda tivemos mais dois gols da equipe treinada por Dorival Júnior. Cinco a zero, sonora goleada que certamente deverá deixar a ala mais pessimista da torcida verde com um sorriso de orelha a orelha. E também o senhor Wilson de Souza Mendonça…