Maikon Leite é mesmo “jogador de segundo tempo”?

Confesso que tenho péssima lembrança desse negócio de talismã ou “jogador de segundo tempo”, se é que isso existe mesmo.

A primeira coisa que me vem na cabeça é aquele Tupãzinho curintiano que, nos anos 90 sempre marcava algum gol quando entrava no segundo tempo.

Tínhamos também o nosso Maurílio, que era pé-quente, e já salvou a pele do Luxemburgo num clássico de Morumbi cheio (bons tempos aqueles).

O mesmo acontece hoje com o atacante Maikon Leite. Mesmo quando não marca nenhum gol, como aconteceu ontem, o cara bota fogo no jogo, torna o time mais ofensivo e os gols não tardam a sair.

Perguntado sobre o que acha de estar no banco de reservas, Maikon evitou entrar em conflito com o treinador, apesar do desejo natural de fazer parte do time titular.

“Foi um dia bom hoje. Aproveitei a velocidade mesmo no meio, onde não é a minha posição. Se eu estiver no bolo, está valendo. Estou buscando uma vaga no time, não vou falar que estou feliz com a reserva. Enquanto eu puder ajudar, estou feliz.”, disse o atacante palmeirense.

Creio que Felipão está certo nessa pois o atleta começou a partida várias vezes entre os titulares e não rendeu o esperado. Agora, como “jogador de segundo tempo”, ele está dando conta do recado e quase sempre marca seus gols.

Se está dando certo, deixa como está…ou não?

Abraço a todos!