Magrão: um novo Paulo Nunes no Corinthians?

Passada a indignação de muitos palmeirenses, que nunca conheceram bem o atleta Magrão, sempre travestido de “jogador apaixonado pelo Palmeiras e sua torcida”, fica a pergunta: será que o dito cujo irá se dar bem jogando no nosso arqui-rival? Pelo que tenho ouvido de muitos corintianos reticentes quanto a essa contratação, a resposta é não. E essa afirmação vem de um simples motivo: jogador que cria vínculos com certos clubes, nunca pode virar casaca. Na história de Palmeiras e Corinthians, muitos atletas trocaram de lado, mas quase sempre não obtiveram sucesso. Falemos de um dos únicos casos dessa troca que deu realmente certo: Rivaldo. Escorraçado pela diretoria e torcida corintiana, Rivaldo veio para o Palmeiras em 1994, e logo se tornou ídolo da torcida, principalmente por causa da vontade com que detonava “eles”. E recentemente, quando de especulação de sua volta ao Brasil, ao ser perguntado em que time jogaria, deixou bem claro: “Quero jogar no Palmeiras, clube que me acolheu bem e me ajudou muito, mas se não der, jogo em outro, menos no Corinthians, que detesto!” O torcedor incauto pode dizer que essa frase já foi utilizada pelo Magrão em entrevista concedida em 2004, mas nesse caso é diferente, porque consta que houve uma proposta da MSI ao Rivaldo, prontamente recusada.

Luis Pereira jogou lá, assim como César Maluco e César Sampaio, mas nenhum deles vingou, principalmente por terem se transferido em final de carreira. Paulo Nunes jogou no clube de Parque São Jorge, no que o próprio considera o “maior erro de minha vida”. Também tivemos de aturar ex-jogadores deles. Os dois mais recentes foram Marcinho “Porpeta”, que ainda está no Palmeiras, enchendo o saco, e o outro foi uma grande decepção, o paraguaio Gamarra, que vai ser lembrado por ter perdido bisonhamente a bola pro Mascherano em sua estréia no clássico.Vamos aguardar para ver se o “palmeirense” Magrão terá sucesso por lá. Eu acredito que não, e você?