Magrão: definitivamente, um fazedor de média

Finalmente caiu de vez a máscara de um cara que sempre jogou para a torcida, até mais do que para o time: Magrão. Idolatrado durante muito tempo por grande parte da torcida palmeirense, o limitado volante sempre foi conhecido por suas entradas viris nos adversários, e a mania de fazer média com a principal torcida organizada do time que defendia, a Mancha Alviverde. Por isso, não foi por acaso que, após marcar um gol de falta no Vasco, correu em direção da maior organizada do outro Parque, a Gaviões. Isso é bom para mostrar a alguns palmeirenses que ainda morriam de amores pelo atleta que ele nunca esteve nem aí pelo Palmeiras. Outro fator engraçado foi a reação da imprensa, exaltando o sujeitinho, dizendo que a camisa alvinegra é sua segunda pele. Lembro aos mais esquecidos que, quando ele estava no Verdão, essa mesma imprensa costumava chamá-lo de violento e muitas vezes desleal.

Agora, porque mudou de parque, o chamam de raçudo! Mas nem tudo são flores no time da Marginal. Segundo alguns conselheiros do Corinthians tem comentado pelas alamedas do Parque São Jorge, o volante já estaria provocando ciúmes, principalmente em quem antes jogava, e bem, para a torcida, Carlos Alberto. Conhecido por sempre “botar a cara pra bater” após as várias derrotas que o time sofreu nesse ano, ele havia conquistado um certo respeito da torcida. Mas agora não estaria gostando nem um pouco da atenção que torcedores estão dispensando ao volante. Por isso muitos dentro do clube estão preocupados com um possível novo racha no elenco.

O que acontecerá nos próximos capítulos dessa guerra de egos? Difícil dizer, mas de duas coisas tenho certeza: uma, a imprensa não vai falar nada sobre esse assunto, diferente do que vem fazendo sobre a tal briga entre Edmundo e Juninho (já estamos na sexta-feira e ainda falam disso nos programas esportivos).  A outra é que nós palmeirenses ainda iremos dar boas gargalhadas sobre esse assunto.