Libertadores, G4, título (difícil, porém….)

Bem, após a lamentável derrota para o Cruzeiro, um montão de gente jogou não só a toalha, como também o sabonete, a bucha, o shampoo etc. O campeonato havia acabado, não é mesmo? Quem preferiu ter fé, no entanto, se deu bem. Desde o começo do Brasileirão 2007, tenho ressaltado que a tendência é uma verdadeira gangorra/montanha russa, com times subindo e descendo com irritante constância. 

E o nosso Alviverde Imponente logicamente não conseguiria ficar fora desse processo. Então, após 25 rodadas, passados dois terços do torneio, nossa situação é boa. Ocupamos a quarta posição na tabela, com 11 vitórias, 7 empates e 7 derrotas, 32 gols a favor e 32 gols contra, saldo zero. Isso, mesmo com todas as derrotas bestas em casa, os empates de bobeira…..Mas até mesmo o São Paulo, a 14 pontos de nós, apanhou de Atlético Mineiro e Fluminense em casa. Aliás, perdeu uma e empatou a outra com o time treinado por Leão Tarja Preta.

Se o time de Muricy está a milênios de distância, o resto da turma mantém-se por perto. O Cruzeiro, que perdeu para o patético Flamengo por 3 a 1, está a cinco pontos de nós, em segundo. O terceiro é o Santos do Luxa, com dois pontinhos a mais. Temos um ponto na frente do quinto, o Vasco (que está com uma partida a menos), e do sexto, o Botafogo. Dois pontos nos separam do oitavo colocado, o Fluminense, que, no entanto, tem duas vitórias a menos do que nós. O time de Wando, digo, José Augusto, encontra-se a sete pontos. E, para tristeza dos hardys, 11 pontos nos separam do décimo sétimo colocado e primeiro da zona do rebaixamento, o Atlético Paranaense.

Na minha opinião, faremos uma seqüência de quatro jogos que poderão definir nosso destino na competição: Atlético em Curitiba, Corinthians no Morumbi, América (RN) em Natal e Náutico, em São Paulo. No primeiro turno, conquistamos nove dos doze pontos disputados contra eles. Precisamos de performance igual ou superior para consolidar nossa presença entre os quatro primeiros.