Goodbye Brazilië

O Brasil deu adeus à Copa do Mundo 2010 com uma surpreendente derrota de virada para a Holanda por 2×1, em Port Elizabeth. Com este resultado, a Laranja Mecânica está classificada para a disputa das semi-finais na próxima terça-feira e mantém seu sonho de chegar ao titulo mundial.

Com Daniel Alves substituindo Elano, o Brasil foi a campo e mostrou logo de cara o domínio da partida contra uma defesa fraca, em linha da Holanda. Isso levava o Brasil a chegar com muita facilidade no gol de Stekelenburg. Prova disso foi o gol bem anulado de Robinho aos 7 minutos. Três minutos depois, o Brasil abriu o placar com um lançamento primoroso de Felipe Melo (sim, dele!) e Robinho bateu na saída do goleiro holandês.

Após o gol, o time holandês ficou atônito e não esboçava reação, exceto por algumas arrancadas de Dirk Kuyt pela ponta esquerda e jogadas de Arjen Robben pela diagonal do ataque.

Mesmo sem muita posse de bola, o Brasil era perigosíssimo no contra-ataque e perdeu 3 ótimas oportunidades de gol: aos 25 min, Juan perde gol quase na pequena área; aos 31, linda jogada de Robinho pela esquerda com toque para Kaká que bate colocado para linda defesa de Stekelenburg; aos 46, Maicon recebe sozinho na direita e bate com força, para outra excelente defesa do arqueiro holandês.

Veio o segundo tempo e o panorama do jogo mudou completamente: a Holanda mudou sua atitude em campo e os times inverteram os papeis. Após falta desnecessária de Michel Bastos, merecedora de expulsão, o time europeu empatou o jogo: bola cruzada por Wesley Sneijder na área, Julio Cesar se atrapalhou com Felipe Melo e este desviou para suas redes. Gol contra que iria custar muito caro.

Notoriamente o Brasil sentiu o empate, passou a ser um time apático em campo, com muitos erros de passe, e chegou apenas uma vez à defesa adversária em chute perigosíssimo de Kaká. Com este panorama, a Holanda tomou conta do jogo e virou o marcador num escanteio que Sneijder completou dentro da pequena área, sozinho, sem marcação. Este gol lembrou para muitos àquela final de 1998, onde Zidane fez gols com esta mesma facilidade.

Depois disso, Felipe Melo fez falta em Robben, pisou no adversário na seqüência e foi justamente expulso, encerrando sua carreira na seleção com isso. Passou o tempo, o técnico Dunga viu que eram ínfimas as opções para tentar uma mudança na equipe e chegar o empate, fruto de uma convocação sem opções ofensivas.

O Brasil ainda tentou chegar na base do chutão para frente, empurrado pelo zagueiro Lucio mas nada disso adiantou. Fim de jogo, fim do sonho, o hexa fica adiado para 2014 (assim esperamos!).

No fim de tudo isso, o palmeirense se pergunta: e agora, Felipão vem mesmo ou vai substituir o dublê de técnico Dunga?