Gols perdidos + substituição errada = novo empate em casa

placar.jpgCom menos de trinta segundos de bola rolando, o Verdão quase faz um gol relâmpago. Pouco depois, a rede adversária balançou. Pena que o bandeirinha tenha acusado um impedimento. O início promissor, no entanto, durou apenas 14 minutos, tempo para que Dininho fizesse um pênalti desnecessário, que Julio César converteu em gol. Resultado: a partida contra o Bragantino rapidamente se tornou um novo tormento para o palmeirista, especialmente os valorosos 7.267 que se propuseram a ir ao Pacaembu na noite de sábado. Resultado: novo empate, mais pontos perdidos, mais distância dos líderes.

Após o um a zero, alguns problemas ficavam claros. O lateral Leandro nem atacava de forma eficiente, nem marcava, deixando uma avenida às suas costas. Dos volantes, Martinez era o melhor, demonstrando habilidade e iniciativa, mas Caio Jr., ao querer reagir ainda no primeiro tempo, preferiu sacá-lo, para colocar William. Pôs o jogador certo no lugar errado, pois Francis estava em momento apagado. Resultado: todos os setores do Pacaembu gritaram “burro, burro, burro”. Seja como for, após muita pressão, Edmilson, o popular “Seo Boneco”, fez o gol de empate (de cabeça), que coroou uma ótima atuação. Se ele é tosco como zagueiro, esbanjou bons passes, muita garra e duas boas cobranças de falta. Paulo Baier também exigiu ótima defesa do goleiro Felipe.

Na segunda etapa, Dininho saiu contundido, sendo substituído por David, e o Bragantino, que abusou das chamadas “faltas de jogo”, teve Thiago Vieira expulso. O Palmeiras pressionou muito, teve dois pênaltis legítimos não marcados a seu favor e perdeu um caminhão de gols, em bolas que passaram raspando a trave adversária ou foram defendidas com brilhantismo pelo goleiro do Braga. Nos poucos contra-ataques, a equipe de Bragança Paulista esbarrava no seguro Marcos, que lembrou o São Marcos de tempos idos.