FIFA reacende discussão (inútil) sobre títulos mundiais de clubes

Sob nova direção, a FIFA quer mudar muita coisa lá dentro que não está bem. Uma das coisas que entidade promete alterar é esse modorrento Mundial de Clubes que tem sido disputado todos os anos com a presença de times dos quatro continentes.

Antes disso, a disputa era realizada apenas entre o representante da Conmebol e o representante da UEFA. Era a chamada Copa Intercontinental, e o vencedor daquela partida, era considerado por aqui como campeão mundial de clubes.

Hoje, a FIFA, numa daquelas reuniões interessantíssimas, decidiu “reconhecer” os títulos que todos os clubes já ostentam em suas salas de troféus e até em estrelas em seus uniformes. Nada de novo.

O que não deixa de ser curioso é que a entidade agora também considera o Boca Juniors como o campeão mundial do ano de 2000. Mas não era um clube brasileiro que levou o título daquele ano? Puro interesse comercial.

Aliás, foram interesses econômicos que motivaram essa reunião. A FIFA quer ressuscitar o torneio intercontinental, sempre menosprezado pelos europeus, e criar uma “Copa do Mundo de clubes”, a cada 4 anos. É uma ótima ideia.

Será que um gremista, por exemplo, vai se sentir mais campeão hoje por conta desse anúncio? Não acredito.

Cada torcedor sabe o valor de cada conquista do seu clube de coração e isso independe de qualquer tipo de “chancela” ou cartolagem. Justamente por isso é que sempre fui contra aquele desespero infantil de alguns diretores para que o Mundial de 51 fosse reconhecido pela FIFA, o que veio a acontecer posteriormente.

Olhando pra frente, que voltem mesmo com a Copa Intercontinental, que era muito mais interessante do que esse mundialzinho e acabem de vez com esse tipo de discussão inútil.

Abraço a todos!