Enfim um 2007 digno em campo

O gramado encharcado do estádio Décio Vitta em Americana prejudicou o Palmeiras na estréia fora de casa, contra o Rio Branco, pelo Paulistão. As poças d’água, que teimavam em parar a bola, dificultaram a condução e a troca de passes. Ainda assim, com o domínio do jogo, o meio-de-campo alviverde criou boas jogadas, não concluídas pelo ataque em função do alto número de faltas sofridas. O volante Felipe ganhou o primeiro amarelo logo aos 2 minutos da fase inicial, ao derrubar Valdívia na tentativa de parar o camisa 10 alviverde.A primeira chance do Rio Branco, em chute rasteiro de Alê Menezes aos 18 minutos, morreu na defesa segura de Marcos. A resposta veio em seguida. Numa bela finta de Wendel, William recuperou a bola na área, tirou o goleiro da jogada e chutou por cima do gol. Duas cobranças de bola parada, um escanteio para o Rio Branco e uma falta para o Palmeiras, ainda levaram certo perigo às metas. No entanto, o placar de 0x0 não foi alterado antes do intervalo.

Com a função de armar jogadas pela direita e tentar mais chutes a gol, Caio entrou no segundo tempo, no lugar de Marcelo Costa. A substituição logo surtiu efeito. Aos 4 minutos, Michael deslocou a zaga e achou Valdívia livre para chutar no canto esquerdo de Adir. O meia abriu o placar, marcando (finalmente!) seu primeiro gol pelo Palmeiras desde a contratação, na temporada passada. Em seguida, num contra-ataque pela esquerda, Pierre escorregou e permitiu a passagem de Fernando. Leandro Love, impedido, aproveitou o cruzamento para empatar.

Aos 26 minutos, depois de boa cobrança de falta de Paulo Baier na linha da área, Osmar, na tentativa de aproveitar o rebote de Adir, foi derrubado pelo goleiro. Responsável pelo pênalti, o centro-avante acertou o lado e a bola ainda tocou a trave antes de entrar e definir o resultado: 2×1. Caio teve a chance de ampliar depois de uma saída errada de Adir e, nos descontos, Vainer chegou a bater uma falta com categoria. No entanto, neste que parece ser o ano do Verdão, o chute do lateral passou raspando a trave direita de Marcos. Seis pontos na tabela e dignidade no ar fazem o palmeirista crer que dias melhores virão.