Enfim, temos um matador…ou ainda é cedo?

Por Flavio Canuto

Quem ouve Mondo Palmeiras sabe que, assim como Raul Bianchi é fã de goleiros, eu sou devoto dos centroavantes. Sempre fui, e sempre serei.

Para mim, o camisa 9 é o ator principal deste espetáculo que é o esporte mais popular do planeta.

Claro que um bom meia criativo é importante, mas nada como um centroavante frio, cerebral e preciso, capaz se resolver uma partida em poucos segundos.

Desde o fim da era Evair, tivemos apenas bons centroavantes: Wagner Love e Alex Mineiro. O atacante e bon-vivant carioca até chegou a virar ídolo de série B, mas fracassou ao retornar ao clube, em 2010.

Também tivemos Alex Mineiro, que era um bom atacante, mas jamais foi uma unanimidade entre os torcedores.

Agora temos o argentino Barcos, que já é considerado por muitos o melhor atacante do futebol paulista.

O gol histórico que ele marcou ontem, na vitória contra o Linense, era o que faltava para ele conquistar toda a torcida palmeirense que já fala abertamente: temos um matador.

Os números impressionam: foram 5 gols em seis partidas, inclusive marcando um golaço em um clássico. Sua meta pessoal é marcar mais de 27 gols neste ano, marca alcançada em sua última temporada na LDU, do Equador.

Excelente, mas será que já podemos cravar que temos um grande centroavante e candidato a ídolo, ou é melhor esperar mais um pouco?

Todos lembram que já me enganei com Keirrisson, uma das maiores farsas da história do futebol brasileiro, que fez um bom Paulistão com a camisa do Palmeiras e depois deu no que deu.

Até hoje sou ridicularizado pelos meus colegas de Mondo Palmeiras por ter comparado o infame K9 com o mestre Evair. Aliás, acho que sempre serei.

Abraço a todos!