Empates em quantia exagerada

Se nosso querido Verdão está há onze partidas sem perder, por outro lado, anda empatando demais. Esse, com o Figueirense, foi o segundo consecutivo, após o de domingo contra a gloriosa Ponte Preta. Para piorar, foi em casa, onde perdemos muitos pontos bestas nos primeiros dez jogos do campeonato. Na fase pós Copa do Mundo, já é o quinto resultado de igualdade. Graças a mais essa vacilada, agora estamos apenas na décima segunda posição na tabela, a doze pontos do líder São Paulo, sete do Inter (ou seja, da zona da Libertadores), três do oitavo (Cruzeiro), dois do nono e décimo (respectivamente Juventude e Fluminense) e com o mesmo número de pontos de Atlético (PR), o décimo primeiro, e Botafogo, o décimo-terceiro. Para piorar, estamos a apenas três pontinhos da malfadada zona do rebaixamento, onde nosso amado Corinthians se mantém firme.

Nossa campanha até o momento: 21 partidas, sete vitórias, seis empates e oito derrotas, 31 gols a favor, 34 contra, saldo negativo de menos três. Portanto, contra o Santos, na Vila, não tem jeito, é ganhar ou ganhar. Um empate, que em circunstâncias normais seria um resultado aceitável, por se tratar de um clássico, não merecerá comemoração. O time precisa aprender a vacilar menos no Parque Antarctica. Mas Tite, o Águia de Haia dos Pampas, como diria Milton Neves, certamente dará um jeito nessa bagunça. E que venha o time do Luxa!