Empate conveniente em jogo morno

Em uma partida com poucas chances de gols, marcação de mais e criação de menos, Palmeiras e São Paulo ficaram no zero a zero, no Morumbi. O resultado foi mais adequado para nós, pois nos permitiu continuar entre os primeiros do campeonato. E também porque, embora não tenha jogado uma partida exemplar, tivemos uma presença mais ofensiva na partida.

O “temido” tricolor do Morumbi jogou na defesa e saindo para os contra-ataques, postura indigna de um time que se diz grande e que jogava em casa. Os destaques do Verdão foram Dininho, com atuação impecável, Diego Cavalieri, que não negou fogo nas poucas vezes em que foi exigido, e Pierre, um volante de contenção como raros no atual futebol brasileiro. Apenas 20 mil pessoas estiveram presentes, mas a maioria composta por torcedores verdes, outro ponto vexatório para a equipe de Muricy “Continuo empregado, mas até quando?” Ramalho.

O time orientado por Caio Jr. atacou mais do que o adversário, mas não criou muitas chances agudas de gol. Edmundo fez provavelmente a sua pior partida no ano, errando inúmeros passes, chutes e lançamentos, e teve como único ponto alto um escanteio que quase gerou um gol olímpico na primeira etapa. Por sua vez, Valdívia começou bem, mas logo perdeu o brilho, e na parte final do primeiro tempo, dava a entender que algum tipo de dor ou contusão ou coisa que o valha o incomodava.

Michael estava no tal “jogo não” definido de Raul Bianchi, e Florentín, estranhamente, jogou várias vezes atrás de Valdívia e Edmundo, postura inadequada para um centroavante de fato. Os laterais Paulo Sérgio e Leandro não comprometeram, e Makelele entrou de forma eficiente no lugar de Michael. David só cometeu um único erro na partida, além de não chutar uma bola pro gol que sobrou para ele por pura insegurança.

Se no primeiro tempo o Palmeiras esteve melhor, no segundo, Rogério Ceni e sua turma chegaram a dominar a partida, mas sem incomodar tanto Diego. Aliás, Dagoberto teve em seus pés a grande chance são-paulina, e a desperdiçou. No final, em cobrança de falta, Martinez obrigou o goleiro adversário a grande defesa.