Em boca fechada nunca entrou mosquito

Por Flavio Canuto

Todo mundo já sabe que Felipão instaurou uma “lei do silêncio” no Palmeiras até a próxima sexta-feira, véspera da partida contra o rebaixado América-MG.

Diante da enxurrada das críticas proferidas pelo atacante(?)Kleber depois do empate com o CAG, e que depois foram rebatidas pelo goleiro Deola, essa foi a medida mais correta a ser tomada neste momento.

Diante da total incapacidade da diretoria para conter os ânimos do elenco não vejo outra saída. Uma semana repleta de fofoca, e um resultado ruim contra América, podem piorar ainda mais as coisas.

Muitas das afirmações de Kleber, “o time só tem uma jogada”, por exemplo, são corretas. Só que não faz nenhum sentido expor isso publicamente desta forma, a não ser que o objetivo seja mesmo tumultuar, ou mesmo abreviar a sua saída do clube.

Essa situação apenas demonstra a necessidade urgente da profissionalização do departamento de futebol do Palmeiras.

Está mais do que provado que, mesmo com boa vontade, os sócios do clube são incapazes de gerir esse departamento por diversos motivos.

Do jeito que está, qualquer atleta que chegar vai logo perceber que não há comando, que ninguém se entende ali, e vai tomar conta da casa.

Abraço a todos!