E o favoritismo não se traduziu em gols…

Teve de tudo. Pênalti perdido, pênalti não marcado e até árbitro sendo substituído nesta primeira partida final da Copa do Brasil.

Perdemos? Sim, mas seguimos com chances de conquistar o título pois o Santos conseguiu marcar apenas um gol em casa e, com uma vitória por um gol de diferença no Allianz Parque leva o jogo para os pênaltis.

Marcelo Oliveira tentou montar uma equipe mais ofensiva para tentar surpreender o Santos. O meio campo, formado por Arouca e Matheus Salles, poderia ser a solução para que o time tivesse uma melhor saída de jogo. Não foi.

Com Robinho jogando do lado direito, não havia ninguém no meio para quem tocar a bola.  E era só passe de lado, para trás ou para Kelvin (que substituiu Gabriel Jesus) pelo lado esquerdo.

Zé Roberto também estava perdido e assustado na marcação do atacantes santistas quefizeram a festa pelo lado dele. Não que Lucas tenha feito melhor, o lateral (que acabou sendo expulso) foi mal tanto na marcação quanto no apoio lá na frente.

Muitos palmeirenses, inclusive na diretoria, não gostam de falar sobre arbitragem, mas não tem como não deixar de comentar a atuação do Luis Flávio de Oliveira.

Marcar pênalti naquela jogada de Arouca em cima de Ricardo Oliveira é algo inacreditável. Claro que houve o contato, mas isso acontece o tempo todo no futebol!!!

Assista a partida novamente e veja quanto lances parecidos tivemos em toda a partida e nada foi marcado. O árbitro também deixou de marcar um pênalti claríssimo de David “traíra” Braz sobre o Lucas Barrios.

Além de marcar a penalidade, sobre a qual não cabe nenhuma dúvida, o árbitro ainda teria que expulsar o zagueiro santista. Isso poderia mudar o panorama da partida, mas
acabou ficando por isso mesmo.

Aliás, a torcida não merece, mas a diretoria está pagando da pior forma sobre aquela nota oficial defendendo a arbitragem brasileira: com o time sendo prejudicado numa final de campeonato!!

Se faltou criatividade ao meio-campo, sobrou grandeza para Fernando Prass. O goleiro fez mais uma vez uma partida irrepreensível. Fez defesas difíceis num campo ruim, com chuva e ainda muita fumaça.

Se não fosse por ele, o Santos, que atacou muito mais, conseguiria uma vantagem significativa para a segunda partida final. Mas não conseguiram.

Apesar de toda a superioridade que a grande mídia alardava, o Santos venceu pelo placar mínimo e o Palmeiras, com o apoio incondicional da torcida pode perfeitamente reverter o placar na próxima semana, no Allianz Parque.

E o que dizer sobre o gol perdido por Nilson, aos 50 minutos do segundo tempo?

Pois é, futebol é dentro de campo. Favoritismo não é garantia de nada e, apesar da derrota, continuamos firmes na luta pelo título.

AVANTI PALESTRA!!!