Dois pontos jogados na lata do lixo…

Não costumo exigir muito de ninguém. Acho que o time tem que buscar jogar bem sempre e, em consequência disso, os resultados virão de forma quase natural. Vencer a qualquer custo, jogando mal, raramente resulta em algo bom lá na frente.

O que não dá pra entender é como uma equipe tenta administrar um jogo em casa, acaba levando um gol num contra-ataque besta e depois falha ao tentar reverter o placar, mesmo tendo quase todo o segundo tempo pela frente.

O técnico da Ponte Preta praticamente anulou Dudu pelo lado esquerdo. Moisés teve que se desdobrar para ajudar Tchê Tchê na marcação e ainda tinha que municiar os atacantes. Cleiton Xavier, como sempre, não rendeu o esperado por muito tempo e acabou sendo substituído.

Ainda assim, o Palmeiras teve mais posse de bola e pressionou a Ponte Preta no campo de defesa durante quase toda a primeira etapa. Batendo muito, e contando com a complacência do Heber Roberto Lopes, o time da Ponte Preta conseguiu segurar o Palmeiras, apesar de ter levado um gol logo nos primeiros minutos da partida.

Aliás, ninguém do clube se deu ao trabalho de questionar publicamente o estranhíssimo “efeito suspensivo” concedido ao árbitro que estava suspenso? É muita fraqueza.

Como não resolvemos o jogo no primeiro tempo, e ainda perdemos Zé Roberto, a Ponte Preta teve mais espaço para os seus perigosos contra-ataques e acabou conseguindo marcar o gol de empate numa falha de todo o sistema defensivo. O pior deste gol é que o Palmeiras havia acabado de marcar o segundo gol da partida e parecia que estávamos a caminho de mais uma vitória no Allianz Parque.

Claro que muita gente agora vai falar que nunca vencemos a Ponte Preta no nosso “novo” estádio. Eu prefiro lembrar da queda de rendimento de Roger Guedes, que está longe de ser aquele jogador rápido e “rei das assistências” no primeiro semestre. Ele pode jogar muito mais do que isso!

Outra coisa a lamentar foi a preferência de Cuca por Rafael Marques. Além do gol, que até o Ricardo Bueno faria, o que mais ele fez em campo? Muito pouco para merecer a titularidade num time que é  líder do Brasileirão.

Enfim, com esses dois pontos jogados no lixo, perdemos a chance de ampliar a vantagem sobre o Atlético-MG. Só não foi pior porque o Santos levou a virada no Couto Pereira e não se aproximou ainda mais da gente na tabela.

Agora é esquecer esse jogo lazarento e pensar no time do tapetão, nosso próximo adversário. Não poderemos contar o Thiago Santos para esta partida e possivelmente o Matheus Sales deve voltar ao time.

Ah, sim! O grande momento do jogo certamente foi quando o Gabriel Jesus entrou em campo no intervalo com a medalha de ouro conquistada no sábado, com a Seleção Brasileira. Ele não tinha a obrigação de estar no Allianz Parque ontem, mas mostrou que realmente gosta do clube, apesar de estar de saída no final do ano!