Deixem o Gareca trabalhar, por favor!

A escolha do nome de Ricardo Gareca para ocupar o cargo de treinador foi um momento raro na história recente do Palmeiras. Todas as alas políticas do clube e quase 99% da torcida aprovou a contratação do técnico argentino, que havia feito um ótimo trabalho no Velez Sarsfield.

Mesmo sendo pouco conhecido por aqui, Gareca era a melhor opção entre os manjados nomes que estavam concorrendo ao cargo.

Desde que chegou, o treinador observou bastante o elenco e pediu alguns reforços, apenas dois chegaram: o zagueiro Fernando Tobio e o atacante Pablo Mouche.

Nesta quinta-feira, na Vila Belmiro, o Palmeiras “do Gareca” vai fazer a sua primeira partida oficial. Sinceramente não sei ainda se o time que vai a campo em Santos é realmente o time que o Gareca pretende montar por aqui.

Além do curto tempo de preparação, o elenco está longe de estar pronto.

Acabamos de perder o nosso principal meia, ainda esperamos um lateral direito, outro centroavante e por aí vai.

Além da já tradicional lerdeza, o clube ainda tem que brigar com os clubes europeus, muitos deles financiados por sheiks árabes ou magnatas obscuros, para trazer reforços para esse plantel.

Além de Valdívia, nosso melhor meia, o zagueiro Tiago Alves e Miguel “ex” Bianconi também já deixaram o clube. Marquinhos Gabriel, que nem foi relacionado para o clássico, e o esquecível Juninho devem sair.

O meia Bernardo, que acabou de chegar, quase foi pro Vitória. Só vai ficar por conta da legislação que não permite que nenhum atleta atue por três equipes nacionais numa mesma temporada. Seu empréstimo vai até o final do ano.

Enfim, estamos reabastecendo o avião em pleno ar.

Depois do vexame histórico da Seleção na Copa, muita gente está de olho no Palmeiras para ver se um treinador estrangeiro pode dar certo por aqui. E não poderia ser diferente.

O que nós, palmeirenses, não podemos fazer é julgar o trabalho e a capacidade de um profissional depois apenas uma ou duas rodadas.

Claro que vamos torcer para o Palmeiras ganhar todos os jogos, cobrar o treinador, mas não podemos dinamitar um trabalho que tem tudo para dar certo em nome de um imediatismo bocó e sem sentido.

Aliás, teremos eleições no clube esse ano. Se a administração atual não continuar, quem entrar não pode sabotar a comissão técnica. Essa política do clube social só atrapalha o futebol, infelizmente.

Para resumir o papo: DEIXEM O GARECA TRABALHAR!!!

Abraço a todos!