Debaixo d´água, Palmeiras perde para o Sport em Recife

O Palmeiras protagonizou novo vexame no Campeonato Brasileiro (e no ano) 2012 e foi derrotado pelo time que tem Vagner Mancini como treinador e Rivaldo (aquele mesmo) como lateral-esquerdo. Isso mesmo, perdemos para o Sport Recife, por 2 a 1, e já figuramos, apesar de ser apenas o início da competição, na Zona de Rebaixamento, lugar que não deveria ser nosso nem por cinco minutos.

Com um esquema mais ofensivo, o técnico Luís Felipe Scolari buscou mandar o time para o ataque e sufocar o adversário, escalando Maikon Leite, Luan e Barcos na frente alviverde, mas com Valdivia armando o jogo solitariamente como de costume. O antes esperança Artur, hoje inoperante, figurou também entre os titulares na vaga de Cicinho, de resto mais do mesmo. E foi com essa formação que o Verdão acuou o Sport e mostrou que poderia sair da Ilha de Lost com um bom resultado, apesar da forte chuva que caiu em Recife, fato não muito comum nessa época.

Apenas impressão. Após bola perdida por Valdivia no meio-campo, o Sport armou um bom contra-ataque, Felipe Azevedo cruzou rasteiro e Marquinhos Paraná, sem grande trabalho, tocou na saída de Bruno. 1 a 0. O Verdão acusou o golpe e passou a jogar como sempre, errando passes em demasia, sem conseguir desarmar o time rival, desorganizadamente tentando algo. Aos poucos o gol foi digerido e o empate, enfim, apareceu.

Henrique, aos trancos e barrancos, conseguiu dar bom passe para Barcos, que dominou e bateu com extrema precisão, como deve ser, indefensável para Magrão, bola estufando a rede. 1 a 1. Antes do fim do primeiro tempo, o Alviverde voltou a pressionar o fraco Sport em seu campo, criando ótimas chances, mas sem qualidade e competência na finalização, principalmente de Maikon Leite, que perdeu a chance da virada ao bater uma bola açucarada para fora. O camisa 7, diga-se de passagem, perdeu várias jogadas para Rivaldo, já pensou?

Veio o segundo tempo e com ele um jogo mais estudado por duas equipes que buscavam a primeira vitória no BR-12. Felipe Azevedo infernizou a defesa palmeirense, que ficou em vários momentos exposta devido à fragilidade dos meio-campistas. Márcio “Bom Passe” Araújo nada fez, Assunção idem e Valdivia mais errou do que acertou. De tanto errar, aos 26 minutos, a bola caiu nos pés dele, Felipe Azevedo, que bateu de longe, rasteiro, e Bruno aceitou. Falha do arqueiro palestrino e novamente o Sport à frente. 2 a 1.

Felipão mudou de uma vez três atletas. Cicinho entrou e Artur saiu, Valdivia deixou o campo para a entrada de Daniel Carvalho e Mazinho substituiu Luan. Pouca coisa mudou. Entretanto, em cobrança de falta de Marcos Assunção, a defesa rubro-negra deu mole e Barcos fez, de cabeça, o que seria o gol de empate do Palmeiras. Seria, se a arbitragem, como de costume, não enxergasse demais contra nós e anulasse o gol legítimo. Isso já deu, já cansou, contra o Grêmio foi um pênalti, agora um gol, onde vai parar? E só começou o campeonato!

O jogo terminou e perdemos pontos, outra vez, para uma equipe pequena e fácil de ser batida. Agora tentaremos uma reabilitação contra o Atlético-MG, no Pacaembu, que terá Ronaldinho Gaúcho fazendo sua estreia pelo Galo, que tem em seu meio-campo um jogador raçudo, marcador e competente chamado Pierre, aquele que um dia foi preterido porque tínhamos Chico…

Abraço a todos!