Dá pra tirar alguma coisa do clássico de domingo?

O Palmeiras não conseguiu vencer o Santos neste domingo. Perder é sempre ruim mas, neste caso, para mim é o que menos importa.

Se alguém ainda achava que o inconstante Palmeiras teria chances de conquistar uma vaga no G4 do Brasileirão, eu não acreditava nisso há um bom tempo. Perdemos muitas chances contra times que estão na parte de baixo da tabela e esses pontos fazem muita falta agora. Já era.

Não dá pra acreditar também que o elenco iria manter o mesmo foco (palavra da moda)no Brasieirão, sendo que temos uma final de Copa do Brasil ainda no final deste mês. E é isso justamente o que me interessa.

O clima do jogo neste domingo foi e, no dia 25 também será, de guerra. O cheiro de decisão ja´estava no ar e é bom que seja assim principalmente para o Palmeiras, que claramente está não tem um time tão entrosado como o do Santos.

Ricardo Oliveira quando marcou o segundo gol, tirou sarro de Fernando Prass e está sendo alvo da ira de toda torcida do Palmeiras que, obviamente, tomou as dores do goleiro do Verdão.

Lá atrás, esse tipo de atitude e menosprezo rendeu uma boa dose de motivação para um jogo decisivo do Verdão contra o seu principal rival (e freguês). Por falar em menosprezo, o rápido ataque santista também abusou da sua arrogância e perdeu gols incríveis. A bola pune e o Palmeiras quase empatou o jogo no segundo tempo, depois da entrada de Allione.

Com o argentino em campo, o futebol do Dudu também cresce. Os dois alternam posições no ataque, a zaga do Santos não sabe quem marcar e o jogo fica mais equilibrado.

Para conter o ataque do Santos, é preciso muito mais do sistema defensivo. A recomposição deve ser rápida quando o time perder a bola no ataque e Marcelo Oliveira não pode mais cometer o erro de deixar Robinho marcando Lucas Lima. Isso é suicídio!

Vitor Hugo é um excelente zagueiro, mas ele e Jackson precisam jogar como de verdade como uma dupla (se é ele mesmo que será o zagueiro titular nas finais), pois qualquer vacilo pode terminar em um gol do adversário e precisamos voltar com uma boa vantagem para a segunda partida.

A volta de Arouca ao meio-campo é uma ótima notícia, mas não resolve todos os problemas da defesa. Precisamos de entrosamento e isso só se consegue jogando junto por mais tempo.

A equipe precisa utilizar os jogos que restam no Brasileirão justamente para aumentar se preparar para jogar contra esse adversário rápido, preciso e também arrogante que vamos enfrentar novamente.

Será difícil, mas longe de ser impossível. Apesar que, deixem eles pensando que já ganharam. Melhor assim.

Abraço a todos!