Cuca inventa demais e o Palmeiras não quebra tabu

Todo mundo tinha na cabeça o time que deveria ser escalado para o clássico. Com Moisés pelo meio, Dudu na vaga de Gabriel Jesus do lado esquerdo do ataque e Fabrício na lateral esquerda.

Cuca apostava na intensidade e na velocidade do Roger Guedes e Gabriel Jesus, mas ainda assim faltava um armador. Pelo meio, Dudu não rende como quando joga mais aberto, caindo pela esquerda.

Todo mundo sabe que, jogando pelo meio-campo congestionado, o “pequeno gigante” não tem o espaço que ele precisa para sair em velocidade, driblar, e chegar ao gol. Dudu como armador? Todo mundo sabe que isso não funciona, mesmo assim Cuca arriscou.

Nos dez primeiros minutos da partida, a estratégia parecia que ia dar certo. O Palmeiras pressionava o SPFC com seis jogadores no ataque e tudo ia muito bem até que um contra-ataque em câmera lenta resultou num gol do adversário.

Vale lembrar que houve uma falta claríssima sobre o Dudu na jogada que originou o gol. Daí em diante, as falhas na montagem do time para esta partida apareceram de fato.

Dudu não conseguia cumprir o papel de armador, erra muitos passes e era desarmado com facilidade. Pelo lado direito, Roger Guedes fez uma péssima partida e errou praticamente tudo o que tentou fazer por ali.

Cuca tentou corrigir os erros no intervalo e não é a primeira vez que ele faz isso. Ele tirou Roger Guedes e Thiago Santos, que poderia tomar o segundo amarelo a qualquer momento para colocar Moisés e Rafael Marques.

Fotos: Cesar Greco / Fotoarena Fotos: Cesar Greco / Fotoarena

Bem, a entrada de Moisés trouxe o que o time precisava:alguém pensando no meio-campo e que sabe jogar por ali. Por outro lado, a saída de Thiago Santos deixou a defesa exposta demais.

Apesar de o Palmeiras ter criado algumas chances de gol logo de cara, foi o SPFC quem tinha toda a liberdade do mundo para atacar pelo meio, pelo lado de Zé Roberto, etc…

Rafael Marques fez o que ele sempre faz quando joga longe da área. Errou muitos passes, lançamentos e a sua presença em campo foi completamente nula.

Diante de tantos erros, coube a Fernando Prass acertar, fazer defesas incríveis e manter o placar com a contagem mínima até o final da partida. Alguém tem alguma dúvida que ele foi o melhor jogador em campo? Eu não.

Continuo confiando em Cuca, acho que ele é o cara certo para comandar o Palmeiras neste momento, mas ele não pode bancar o “professor Pardal” e fazer experiências em clássicos como este. Não dá.

Não dá pra confiar em Cleiton Xavier como a principal solução para o meio-campo. Não poderemos contar com ele em muitas partidas e precisamos ter outra carta na manga. E isso tem que ser resolvido logo.

Quinta-feira vamos enfrentar o Grêmio, no Pacaembu. Não dá pra repetir essa formação novamente ou…

Abraço a todos!