Cuca arriscou demais em Montevidéu

O Palmeiras entrou em campo nesta quinta-feira, contra o Nacional, com a mesma formação que foi testada nos coletivos desta semana. Foram muitas mudanças em vários setores do time e, claramente, não houve tempo suficiente para ensaiar tudo.

Além disso, o risco de algumas dessas alterações era enorme. Por exemplo, você colocar Egídio como lateral e Zé Roberto como meia, pelo lado esquerdo, era uma espécie suicídio anunciado. Na outra lateral, o desgastado Lucas segue errando tudo, fazendo faltas desnecessárias e afundando o time.

Com dois laterais fracos assim, o time nunca terá uma boa saída de jogo. Hoje em dia, não dá mais para atacar apenas pelo meio e é isso que tem acontecido no Palmeiras faz tempo. Podem trocar de treinador mais dez vezes que isso não vai mudar!

A ideia de colocar o Dudu quase como um ponta esquerda também não deu certo. Ter o nosso melhor atacante “esquecido” lá na frente é outra formula para o fracasso.

Nossa dupla de volantes até que funcionou bem. Parece que Arouca se sente mais seguro jogando ao lado do Gabriel, que ainda não tem ritmo de jogo, mas foi bem até quando deu.

A dupla de zaga, embora mais experiente, deu várias pixotadas e teve muito trabalho para cobrir os laterais que mais atrapalhavam que ajudavam o sistema defensivo do Verdão. Sorte que os uruguaios deixaram de atacar depois de ter feito o seu golzinho salvador!

 (Foto: Cesar Greco / Fotoarena)

(Foto: Cesar Greco / Fotoarena)

Enfim, com todas essas dificuldades, o Palmeiras conseguiu finalizar apenas duas vezes numa partida essencial para a sua sobrevivência na Libertadores. Gabriel Jesus mais uma vez teve “a bola do jogo” nos seus pés e falhou. Até quando?

Aliás, o que a gloriosa CONMEBOL vai fazer sobre o palhaço racista que apareceu na transmissão imitando um macaco e olhando para o Jesus?

Cuca arriscou. Se desse certo, seria aclamado como um cara de visão, ousado mas, infelizmente, as apostas dele não deram certo. Talvez utilizar as partidas do Paulistão para promover aos poucos as mudanças fosse a melhor solução, enfim…

Agora já era, o Palmeiras precisa vencer o Rosário Central na Argentina e também o River Plate no Allianz Parque para seguir sonhando com uma vaga para a próxima fase da Libertadores. Uma eliminação agora, diante de toda expectativa e investimento feito, seria uma catástrofe. Uma vergonha completa.

Querem evitar o vexame? Encham os caras de dinheiro, como aconteceu na final da Copa do Brasil e aí, quem sabe, eles façam a diferença dentro de campo. Fora isso, é rezar, contar com a sorte, etc…

Abraço a todos!