Cleiton Xavier e a obediência tática

Um dos jogadores mais interessantes do elenco do Palmeiras em 2009 atende pelo nome de Cleiton Xavier. Chegou olhado com desconfiança por parte da “turma do amendoim”. Vinha do Figueirense, onde se destacou no ano passado, mas já havia perdido uma boa chance anteriormente ao não se firmar no Internacional. “Jogador de time pequeno”, diziam. Pois o atleta chegou literalmente arrasando. Fez cinco gols, virou o rei das assistências e das bolas paradas, e deu maior mobilidade ao meio-campo alviverde. Quando parou de mandar as bolas para o fundo das redes adversárias, passou a ser contestado. De forma errônea. E a explicação é simples.

     Ao contrário de outros jogadores que vestem a camisa dez, Cleiton Xavier não tem panca de estrela. Aliás, nem panca, nem atitude. É o chamado “pau pra toda obra”. Como apenas Pierre tem características de marcação no meio campo do Palmeiras, e como experimentou vários jogadores por ali de forma mal sucedida (Jumar Bianchi, Sandro Silva, Evandro etc), Vanderlei Luxemburgo começou a pedir para que o seu meia passasse a se preocupar mais com a marcação. Com isso, o atleta saiu dos holofotes. Essa situação se alterou com o mega-golaço que ele fez contra o Colo-Colo, o carimbo em nosso passaporte rumo às oitavas de final da Libertadores.

     A partida da última terça-feira, contra o Sport, era chave para se entender o verdadeiro espírito de Cleiton Xavier. E ele não nos decepcionou. Sem Marcão disponível e com o recém-chegado Mozart ainda fora de sua melhor forma, Luxa optou por novamente dar funções de marcação a seu camisa 10.

Sem cair em estrelismo devido ao papel de protagonista que ocupou contra os chilenos, nosso meia deu um show de aplicação, ajudando e muito Pierre Seleção, e ainda arrumando tempo para bater faltas e escanteios. Quando Mozart entrou na segunda etapa, ele teve a chance de retomar a função de meia, e bateu a falta que resultou no gol de Ortigoza.

     Ou seja, Cleiton Xavier joga para o time, algo fundamental para quem deseja se firmar no mundo do futebol. Merece os parabéns pela aplicação, pela humildade e também pela qualidade de seus passes e cobranças de faltas e escanteios.

Jogador útil, e como!