Casa que não tem pão, todos gritam e ninguém tem razão…

Existem poucas unanimidades entre a sempre exigente torcida palmeirense, uma delas é sobre a incompetência das últimas diretorias do clube. Depois da chegada de Arnaldo Tirone, isso apenas ficou ainda mais evidente.

Não acredito que apenas nesta semana, após uma rara goleada, o técnico palmeirense tenha percebido isso.

Ele deve saber disso desde a primeira vez que conversou com o presidente do clube, mas por algum motivo resolveu reclamar sobre a inoperância dos dirigentes no momento em que os “juquinhas” comemoravam um resultado importante para um equipe que busca sua redenção nesta fácil Copa do Brasil.

Além de mais uma vez desrespeitar publicamente a hierarquia e jogar a moral do grupo lá pra baixo, Felipão foi injusto em dois momentos: primeiro quando disse que a diretoria não informou a torcida sobre os cofres vazios do clube, algo que César Sampaio repetiu em vários órgãos da grande mídia nos últimos dias.

Segundo, quando falou sobre a falta de investimentos. Podemos até dizer que gastaram mal, mas jamais que não gastaram. Faça a soma dos valores pagos pelos direitos de Barcos, Henrique, Luan, Daniel Carvalho, Wesley e verá que gastaram (e muito) nos últimos meses.

As outras críticas são justas? Sim, mas são obviedades que não precisam ser ditas após uma vitória.

Depois foi a vez de Tirone responder ao treinador numa outra entrevista coletiva (por que é que ninguém resolve nada internamente no Palmeiras?).

Fazendo juz a sua fama de banana, o presidente disse concorda com o treinador, quer que ele fique para ser campeão no clube, mas não vai “amarrá-lo” caso queira sair. Desculpem, mas é muita fraqueza para alguém que ocupa um cargo tão importante.

Depois de ouvir tudo isso, me lembrei do ditado que a minha vó Vicentina (que faz aniversário hoje) costuma dizer: casa que não tem pão…

Abraço a todos!