Bolas paradas determinam vitória do Goiás

Doze minutos de partida no Serra Dourada. Placar? Dois a zero Goiás. Grande partida da equipe goiana? Não. A principal preocupação expressada pelo treinador Caio Júnior durante a semana em relação ao adversário, ou seja, as bolas paradas, infelizmente se mostrou profética. Leonardo, ex-zagueiro palmeirense, ao sete minutos, e Amaral, outro defensor do time goiano, aos doze, decretaram o placar acima descrito. Infelizmente, as duas falhas da improvisada zaga esmeraldina determinaram a vitória goiana, pelo placar final de 3 a 1.

Após um início modorrento de partida, e com os dois gols do Goiás, ambos de jogadas criadas por Paulo Baier, o Palmeiras tentou equilibrar o jogo, mas fez um fraco primeiro tempo em todos os quesitos, especialmente zaga e meio campo. Os sete jogadores que desfalcaram o elenco fizeram muita falta, especialmente Valdívia, Edmundo e Michael. Mesmo sem mostrar muita coisa, o time de Élson, Leonardo “Perninha”, Paulo “Leandro” Baier e Paulo Bonamigo conseguiu tocar a bola, sem ser ameaçado.

No segundo tempo, um milagre: Caio fez duas substituições que deram certo. Valmir entrou no lugar do inoperante Leandro e comeu a bola, criando inúmeras jogadas pelo seu lado, enquanto Alex Afonso, embora com a incapacidade de conclusão de sempre, também ajudou a dar mais velocidade ao setor ofensivo verde.

Por sua vez, Caio melhorou muito, e foi dele o gol do Palmeiras, aos 29 minutos, em chute maravilhoso. Um pouco antes, Alex Afonso obrigou o veterano goleiro Harlei a fazer defesa dificílima. Aí, aos 38 minutos, no único contra-ataque do Goiás na segunda etapa, Wendell recebe passe açucarado de Paulo Baier e decreta números finais à partida.

Um resultado injusto, especialmente se levarmos em conta o segundo tempo do time paulistano, e o fraco desempenho do time de Bonamigo no mesmo período da partida. Enfim, futebol é isso aí.