Baú do Palestra – 91 anos da primeira excursão do Palestra pelo Uruguai…e Argentina

periquitoAgora em 2016 o Palmeiras dá o pontapé inicial em sua temporada participando da Copa Antel no Uruguai, torneio de verão/preparatório que desde 2011 é disputado no país vizinho.

A Antel é a empresa estatal de telecomunicações do Uruguai, e os campeões desde então são: Peñarol (2011), Olímpia do Paraguai (2012), Sporting Cristal do Perú (2013), Nacional (2014) e Nacional (2015).

Esta não é a primeira vez que o Palmeiras participa de torneios amistosos contra equipes sul-americanas. O clube sempre jogou e disputou jogos e troféus contra os principais clubes do continente, fato que trouxe o tema para a coluna de hoje.

A primeira vez do Verdão em gramados estrangeiros foi no início de 1925, quando o Palestra Itália foi convidado por dirigentes uruguaios e argentinos para disputar algumas partidas em seus respectivos países.

O convite foi aceito e o Palestra tornou-se o primeiro clube paulista a disputar partidas na região do Prata.

A diretoria do Palestra, comandada pelo presidente Francisco De Vivo, trabalhou intensamente na preparação da equipe e na logística da viagem internacional, a primeira da nossa gloriosa história.

Uma das ações da diretoria, sabedora da força do futebol argentino e principalmente do uruguaio (o Uruguai era o atual campeão olímpico, que à época era o maior torneio do futebol mundial), tratou de reforçar a equipe palestrina, e conseguiu o empréstimo de quatro jogadores para os jogos que seriam disputados.

Do Sírio veio o goleiro Tuffy; do Taubaté veio Tatú; a A.A Palmeiras emprestou o meio campista Tito; o Brás-Atlético cedeu Brasileiro e o São Bento nos emprestou o atacante Feitiço.

Feitiço merece uma citação especial; Nascido no bairro do Bexiga, com o nome de Luiz Mattoso, Feitiço foi um dos maiores atacantes da história do futebol brasileiro com mais de 400 gols marcados.  Atuou pelo extinto time do mosteiro de São Bento, no centro da capital paulista, depois jogou por Santos, Corinthians, Palestra Itália, Vasco da Gama e Peñarol, do Uruguai.

Toda a preparação foi finalizada em fevereiro e no dia 2 de março a delegação do Palestra subiu a bordo do navio italiano “Taormina”.

A delegação do Palestra teve Nicolino Pepe e Angelo Cristofaro como chefes. Dante Vagnotti como secretário e Armando Mazucchi, administrador. Além deles, o associado do Palestra e jornalista do Fanfulla Francisco Petinatti também embarcou na viagem para  registrar todos os acontecimentos.

Como era muito comum à época, o centro médio Amílcar Barbui atuou como jogador e técnico do Palestra nas partidas.

Estes foram os jogadores que defenderam o Palestra na excursão ao Prata: Primo e Tuffy (goleiros); Bianco, Nigro, Xingo e Tatu (defensores); Serafini, Coe, Amílcar, Tito e Loschiavo (meio campistas); Luiz, Ministro, Heitor, Martinelli, Azzi, Gasperini, Pirillo, Brasileiro e Feitiço (atacantes).

Os dois primeiros jogos foram no Uruguai, contra o time da Associação Uruguaia de Futebol, disputados no estádio Parque Central, de propriedade o Nacional de Montevidéu.

Confira as fichas técnicas:

08/03/1925 – Associação Uruguaia 3 X 2 Palestra Itália

Uruguaios: Battignani; Nazzasi e Uriarte; Azulgaray, Ziangoni e Chierra; Naya, Mazzone, Medina, Céa e Saldombide.

Palestra: Primo; Bianco e Nigro; Brasileiro, Amílcar e Serafini; Coe, Heitor, Feitiço, Tatú e Tito.

Gols: Saldombide (2) e Céa (uruguaios) – Feitiço (2) (Palestra)

Árbitro: Gariboni

15/03/1925 – Associação Uruguaia 1 X 0 Palestra Itália

Uruguaios: Battignani; Nazzasi e Uriarte; Azulgaray, Garcia e Chierra; Naya, De Agostini, Gemelli,  Céa e Saldombide

Palestra: Tuffy; Bianco e Nigro; Brasieliro, Amílcar e Serafini; Coe, Luiz, Heitor, Tatú e Feitiço

Gols: Céa (uruguaios)

Árbitro: Gariboni

No dia 17 de março o Palestra Itália se dirigiu para a Argentina para a disputa dos outros dois jogos da excursão.

O primeiro jogo foi contra um combinado formado por jogadores da Associação Argentina de Futebol.

19/03/1925 – Combinado Argentino 3 X 1 Palestra Itália

Argentinos: Croce; Castagnola e Ribaroni; Monti, Celico e Monti II; Perinetti, Fernandez, Caldas, Loizo e Orsí

Palestra: Primo; Bianco e Nigro; Brasieliro, Amílcar e Serafini; Perillo, Tatu, Feitiço, Heitor e Luiz

Gols: Orsí (2) e Loizo (argentinos) – Feitiço (Palestra)

Árbitro: Grassone

Público: 15 mi pessoas

Local: estádio La Feria, em Avellaneda, Buenos Aires – (Campo antigo do Racing)

O segundo e último jogo do Palestra em campos argentinos, foi contra um combinado da Federação Amadora de Futebol. (Croce e Orsí jogaram pelos dois times)

22/03/1915 – Combinado Argentino 0 X 0 Palestra Itália

Argentinos: Croce; Molinari e Recantini; Celico, Power e Napoleoni; Orsí, Ravaschino, Passatori, Gainzarin e Calomino

Palestra: Tuffy; Bianco e Nigro; Brasileiro, Amílcar e Serafini; Martinelli, Tatú, Feitiço, Heitor e Luiz

Árbitro: Jorge Passarani

Local: estádio do Barracas, em Buenos Aires

Como pudemos notar o Palestra não conquistou nenhuma vitória, porém o time palestrino enfrentou as duas maiores escolas de futebol da América do Sul na época, e, como também pode-se observar, enfrentamos selecionados e não clubes.

Os jornais do Uruguai e da Argentina enalteceram o futebol e a raça demonstrada pelo Palestra nas partidas, sendo que enfrentemos escolas muito fortes e com mais prestígio no exterior.

Como lembrança da excursão, o Circolo Italiano de Montevidéu presenteou o Palestra com o troféu “Omaggio”.