Balanços patrimoniais dos clubes brasileiros – Publicidade e patrocínio em 2018

Bom dia, boa tarde e boa noite amigos do Mondo.

Comparada com 2017, a receita com publicidade e patrocínio em 2018 caiu 23%, reflexo do péssimo momento da economia brasileira e de uma certa descrença do mercado publicitário brasileiro em relação ao futebol.

Após um boom nos dois primeiros anos da década de 2010, a receita com publicidade e patrocínio apresentou uma grande oscilação entre 2012 a 2015 e significativa queda nos três últimos anos.

A crise econômica brasileira gera desemprego e queda de renda do trabalhador e consequentemente menor consumo e menor investimento em publicidade por parte das empresas. Neste cenário, ficou claro que o futebol no Brasil não foi uma opção segura de investimento em publicidade quando se tem restrições orçamentárias.

Conforme levantamento do Ibope Kantor, a participação da publicidade em futebol sobre o total investido no mercado publicitário brasileiro foi de apenas 0,4% em 2018.

Comparando com 2017, em quatro times: Palmeiras, Grêmio, SCCP e SPFC a redução foi de 37%, eles deixaram de receber R$ 134 milhões referentes aos patrocínios da camisa e de royalties dos fornecedoras do material esportivo.

Alguns motivos: a troca de fornecedores de Palmeiras e SPFC; como recebeu muito em 2017 pela conquista da Libertadores e a disputa do mundial, seria natural a queda de receitas do Grêmio e não renovação do contrato máster entre a Caixa e o SCCP.

Detalhe, o Flapress continua no cheirinho.

No próximo post iremos apresentar as dívidas do Palmeiras e dos clubes brasileiros em 2018.