Bagunçado, Palmeiras vence e encaminha vaga para a semifinal

Depois de assistir jogos horríveis dos rivais, o palmeirense esperava ver ao menos uma boa partida em Novo Horizonte, afinal o campeonato começava pra valer neste final de semana. Sim, posso dizer que vimos um bom jogo entre Palmeiras e Novorizontino, sendo que o time da casa jogou muito bem e valorizou ainda mais a vitória palestrina.

O Palmeiras venceu, mas se mostrou uma equipe bagunçada. Talvez a ausência de Zé Roberto no lado esquerdo tenha contribuído para isso, mas é fato que o time tinha muita dificuldade para marcar e fazer a transição para o ataque com a bola nos pés.

William e Dudu estavam muito adiantados e a bola não chegava ao ataque palmeirense. O time da casa não foi covarde e resolveu atacar o Palmeiras principalmente pelo lado esquerdo, utilizando a Av.Egídio, e conseguiu marcar o seu gol logo de cara, numa arrancada do veloz Roberto.

Depois disso, Tchê Tchê foi deslocado para o lado esquerdo e o Palmeiras deixou de ser ameaçado com tanta frequência, mas ainda tinha dificuldade para entrar na área do Novorizontino. Será que não era melhor começar a partida com o Michel Bastos? Dudu atuando no meio é uma boa? Nem sempre.

Enfim, o empate saiu ainda na primeira etapa, com Dudu aproveitando uma bola que sobrou dentro da área. Vale lembrar que a bola ainda bateu no braço do zagueiro que dava condição ao Dudu, mas o time local reclamou muito do posicionamento do pequeno gigante. Espero que tenham visto o replay.

O que ninguém conseguiu entender mesmo foi o cartão amarelo que o Felipe Melo tomou. Se alguém merecia ser punido era o Egídio, mas o árbitro errou e duvido que admita o erro. Será que teremos uma “comoção nacional” por conta disso? Espere sentado.

O Palmeiras voltou com uma postura diferente para a segunda etapa, mas ainda assim Fernando Prass teve que trabalhar muito. Para mim, o lance capital do jogo foi justamente a defesa que ele fez no início da primeira etapa e que evitou o segundo gol do Novorizontino.

A entrada de Keno do lado esquerdo, onde estava William, acabou atraindo a marcação e deixou Miguel Borja com mais espaço dentro da área e foi ele que acabou desempatando a partida. Ainda assim, o caos na defesa seguia da mesma forma e o time da casa ainda perdeu uma chance incrível (de cabeça) para empatar a partida.

Eu havia criticado a entrada do Erik, mas ele acabou dando o passe para que o Roger Guedes fizesse o terceiro gol palmeirense em Novo Horizonte. O gaúcho foi comemorar no alambrado e, como já havia levado o amarelo, acabou sendo expulso. Essa é a regra vigente no “futebol moderno”.

Bem, vencemos e estamos com um pé na semifinal. No entanto, o time precisa jogar muito mais para ir além, tanto no Paulistão quanto na Libertadores. É muito tempo “rodando o elenco”, alterando o esquema tático e os jogadores ficam meio perdidos em campo.

A partir de agora, é preciso repetir mais vezes a escalação “titular” para que o jogo seja mais coletivo e o Palmeiras dependa menos dos valores individuais. Espero que o pessoal esteja pensando da mesma forma.

 

Abraço a todos!