Ano novo, velhos problemas, e a vida que segue…

Por Fellipe Málaga

Enfim, 2012. O novo ano já chegou e com ele ressurge das entranhas a esperança alviverde de ter um ano com menos decepções e dissabores. Boa parte da torcida não via a hora de 2011 ir pro beleléu, sepultar um dos piores anos da História da Sociedade Esportiva Palmeiras e ver essa ”zica” ir pro espaço, recomeçar tudo do zero.

Já outra parcela de apaixonados palestrinos não consegue enxergar algo otimista em uma simples virada do ano, já que o limitado elenco é o mesmo, o treinador permanece lá, e Mustafá, juntamente com sua corja, continua dando as cartas. Enquanto isso, Arnaldo Tirone e Roberto Frizzo ensaiam os passos para o próximo episódio dos “Bananas sem Grana”, a ridícula série que tem os dois como protagonistas em inúmeras presepadas sem graça nenhuma.

Independente do grupo que mais se adéqua ao seu estado de espírito, digamos assim, a grande (e imutável) verdade é que é preciso ter esperanças de que dias melhores virão, porém esse otimismo é sufocado quase que por completo pelo temor de que 2012 não passe de uma continuação do ano que foi embora.

Esse marasmo todo é que atordoa, que perturba, um silêncio que estronda nos ouvidos dos palmeirenses, e que só aumenta ainda mais as dúvidas. “Camarão que dorme a onda leva” já diz o velho samba que retrata fielmente o sentimento hoje, enquanto outros clubes se mexem e buscam reforços, o Palmeiras se mantém imóvel, sonolento.

E por falar em camarão, os tais crustáceos que comporiam o prato principal da culinária alviverde em 2012 até agora continuam no fundo do mar, ou foram tragicamente assassinados como na canção dos Originais do Samba. O que sabemos é que pelas bandas da Academia eles não deram as caras. Até agora nada. O bom é que pelo menos o cabeça-de-bagre do Rivaldo foi desfilar seu “talento” em outra freguesia.

A reapresentação está marcada para o próximo dia 4, já a estreia no Paulistão 2012 (ou Paulistinha, dependendo de quem o vença) será no dia 22, fora de casa contra o Bragantino.

Esse será o primeiro desafio futebolístico do Verdão no ano, que antes enfrenta o Ajax (HOL) no dia 14, jogo realizado no Pacaembu, um amistoso que serviria para apresentar os novos contratados e celebrar a aposentadoria do Maior Goleiro do Mundo. O problema é que os reforços, até agora, não existem e São Marcos ainda nem sabe se vai parar mesmo. Belo exemplo de (des)organização.

Espero sinceramente que 2012 seja um marco na História do Palmeiras, o ano das ‘Diretas Já’, o ano da expulsão de Mustafá Contursi e de outros tantos antipalestrinos da entidade, o ano da retomada da bela trajetória de conquistas, o ano em que o Palmeiras voltou a ser Palmeiras. Difícil acreditar em tudo isso?

Sim, é. Mas aproveitemos enquanto sonhar (ainda) não custa nada…