Afastando o papo furado de 2009…

O Palmeiras tem o melhor ataque do Brasileirão. A equipe conseguiu uma invencibilidade de 15 jogos, mas bastou uma só derrota para muita gente má intencionada começar a falar sobre a campanha do Campeonato Brasileiro de 2009.

Sempre tem algo para minar a confiança do torcedor palmeirense. Primeiro, foi o “oba oba”, com a falsa possibilidade de o título já estar ganho e de ver os adversários apenas lutando por vagas na Libertadores. Agora, é a “queda de rendimento palmeirense” na reta final da competição assim como aconteceu em 2009.

Bem, não vejo o Palmeiras fazer grandes partidas faz tempo. Também não vejo nenhum rival fazendo nenhuma apresentação de brilhar os olhos nas últimas rodadas. A principal diferença é que o Palmeiras vence, mesmo jogando mal, enquanto os adversários sempre tropeçam nos seus próprios erros e limitações. Por isso, somos líderes.

Ninguém entra em campo para perder, nem mesmo na Vila Belmiro, mas a equipe precisa estar pronta para encarar numa boa o resultado negativo. O Palmeiras está e o elenco reagiu bem, sem nervosismo, sem entrar em parafuso.

Os jogadores Gabriel Jesus e Dudu (D), da SE Palmeiras, durante treinamento, na Academia de Futebol.

Talvez a única exceção seja o Gabriel Jesus, que fez o favor de levar um cartão amarelo por reclamação após o apito final do árbitro. Infelizmente, o garoto já está com a cabeça em Manchester, espero que volte à Barra Funda para as derradeiras partidas do Brasileirão. Nas últimas rodadas, tem sido apenas uma sombra daquilo que já foi.

Apesar da derrota, temos ainda cinco pontos de vantagem sobre o segundo colocado. Faltam cinco jogos para o final da competição e três deles serão disputados no Allianz Parque. Quem tem se preocupar mesmo são os rivais.

Em 2009, perdemos jogadores importantes na reta final, o clube estava uma bagunça e não se parecia em nada com o que vemos hoje. Só mesmo quem quem não viu aquilo de perto e hoje quer confundir a cabeça do torcedor palmeirense para encontrar qualquer semelhança.

Nosso maior desafio neste momento talvez seja lidar com a ausência de Moisés, que cumpre suspensão automática contra o Inter. Voltaremos a falar sobre isso em breve.

Abraço a todos!