A Vida dos Outros- Edição 5 (Nova Fase)

Considerações e ironias referentes aos outros clubes que, para infelicidade deles, nunca conseguirão sequer chegar perto da Sociedade Esportiva Palmeiras.

*******************************************************************************
Titia Ceni, quem diria, acabou na Vila Belmiro

Desde 2008, o São Paulo Futebol Clube vive uma bela estiagem de títulos. Só venceu nesse período a Copa Sulamericana, em 2012, e daquele jeito que todos se lembram, com direito a jogo final que não teve segundo tempo. Ou seja, um título pela metade, na verdade.

2015 será mais um ano em que a agremiação sediada no Jardim Leonor ficará na fila, a ver navios. E o ano marcará também a aposentadoria de Rogério Ceni. E como pagou micos durante a temporada esse ex-goleiro ainda em atividades…

Não bastassem os dois humilhantes gols que tomou de Robinho, o (Vô) Mito Tricolor ainda viu sua equipe tomar um verdadeiro passeio por parte do Santos Futebol Clube nas semifinais da Copa do Brasil. A coisa ficou tão feita que o cara arrumou uma desculpa e saiu no intervalo do jogo desta quarta (28).

Seu time já havia apanhado de 3 a 1 em casa a partida de ida. Na de volta, o placar já apontava 3 a 0 para o adversário peixeiro. Aí, Titia Ceni alegou uma contusão e nem voltou para o segundo tempo, deixando a encrenca para o tal de Dênis. Que despedida….

*******************************************************************************
Doriva é o técnico pãozinho do Jardim Leonor

Logo que iniciamos Mondo Verde, lá pelos idos de 2006, apelidei o treinador interino do Palmeiras de então, o glorioso Marcelo Vilar, de “técnico pãozinho”. A razão: o pãozinho é o produto com prazo de validade mais curto em um supermercado. Sabia que ele não iria durar muito no comando do Verdão, e não durou mesmo.

Creio que o SPFC (Saco de Pancadas Futebol Clube) do Jardim Leonor está com um técnico pãozinho por lá. Trata-se do glorioso Doriva Falcon, aquele cara que lembra o boneco Falcon, “cujos cabelos parecem reais”, um brinquedo que fez sucesso nos anos 70.

Contratado por Titia Aydar, ele tem colecionado tropeços no comando dos leonores. Cara de pau, criticou duramente seu antecessor Juan Carlos Osorio, mas está conseguindo desmontar o que o treineiro colombiano fez em seus quatro meses de clube.

Após o passeio tomado diante do Santos na Vila Belmiro, o que corre no mercado da bola é que o São Paulo já pensa em um novo profissional para o cargo em 2016. Quem mandou sair de forma abrupta da Ponte Preta, achando que havia tirado a sorte grande, seo Falcon Cover? Melhor sorte da próxima vez…

*******************************************************************************
“Seis ou sete, sei lá!” e a humilhação das humilhações

Poucas vezes em sua história os leonores passaram por tantas humilhações como nos últimos anos. Só falta um rebaixamento no Brasileirão, mas o futuro pelo visto se incumbirá dessa tarefa, se continuarem administrando o clube do jeito que estão fazendo.

A coisa anda tão feia que a eleição realizada esta semana para a sucessão do renunciante Carlos Miguel Aydar reuniu candidatos com nomes dignos de uma Portuguesa da vida. De um lado, o vencedor Leco, o cara com nome de marca de leite. Do outro, o glorioso Newton do Chapéu. Dá para encarar?

Mas calma, que a coisa vai ficar pior. Ao sair do campo no primeiro tempo da partida de volta da semifinal da Copa do Brasil, quando o placar apontava 3 a 0 para a sua equipe (6 a 1 na combinação das duas partidas), o atacante Ricardo Oliveira foi abordado pelos repórteres. E um deles desferiu uma pergunta impactante.

“Ricardo, você sabe quantos gols o São Paulo agora precisa fazer para seguir adiante na Copa do Brasil?” Olhando com cara de desprezo, o goleador soltou o seguinte exocet: “Seis ou sete, sei lá!”. Que exagero, caro atacante… Eram “apenas” quatro. Eita fim de feira lascado esse aí. Nem xepa tem mais.

*******************************************************************************
E a cara de pau do presidente do Flu-flu continua afiada

Não satisfeito em detonar a arbitragem da primeira partida entre Fluminense e Palmeiras no Rio, quando seu time foi mais beneficiado do que prejudicado, o presidente daquele clube carioca, Pieter Eduardo Siemsen fez das suas novamente, agora em São Paulo.

Ele chamou o árbitro Anderson Daronco de “mais um ladrãozinho”. Detalhe: reclamou de quê? O pênalti a nosso favor foi claro, e ainda rolou mais um no finalzinho do primeiro tempo, em Lucas Barrios, que não foi marcado. De resto, tudo normal.

Para seu azar, ele teve sua declaração citada por Daronco na súmula, e pode tomar uma bela suspensão para aprender a ficar com a boca fechada quando não tem razão. Mas esperar o que de um clube como o seu, com histórico mais do que lamentável?

O pior ficou por conta de nosso ex-goleiro, Diego Cavalieri, que falou de forma aberta acerca dos prejuízos que a arbitragem das duas partidas teria causado a seu clube. Está precisando de óculos, heim, meu amigo? Ou vai querer culpar o Verdão do seu Flu-flu não ter treinado cobranças de penalidades máximas? Coisa feia!

*******************************************************************************
Festa estranha, com gente esquisita, eu não tô legal…

O ano continua conturbado para os lados do Flamengo. Deve ser praga de Vanderlei Luxemburgo, que foi demitido do clube ainda na fase inicial do Brasileirão 2015. Oswaldo Oliveira chegou por lá e sua entrada foi de leão, com várias vitórias consecutivas.

Após chegar ao G-4 do campeonato mais importante do país, a queda chegou. Com uma derrota atrás da outra, o Mengo caiu para a décima posição no torneio, vendo a classificação para a Libertadores de binóculo e sem grandes perspectivas. Mas dizem que desgraça pouca é bobagem, não é mesmo? E veio mais chumbo grosso.

Os jogadores Everton, Alan Patrick (aquele mesmo), Paulinho, Pará e Marcelo Cirino foram pegos em uma daquelas festas estranhas com gente esquisita, como diria a música Eduardo e Mônica, da Legião Urbana, com direito a muita mulherada e muita birita no meio.

Em plena era das redes sociais, os “espertos” se deixaram fotografar, e usando uniformes do clube. Resultado: estão todos suspensos por tempo indeterminado e multados. E Oswaldinho começa a ser cotado como futuro desempregado. Isso é que é controle de vestiário…

*******************************************************************************
Semana que vem tem mais, se Deus quiser! Agradeço aos patéticos adversários, sempre me fornecendo boa munição, e aos frequentadores de Mondo Verde! E nunca se esqueçam: o bom-humor ajuda a evitar ataques cardíacos, derrames, tentativas de suicídio etc