A vida dos outros

Por Fabian Chacur

Considerações e ironias referentes aos outros clubes que, para infelicidade deles, nunca conseguirão sequer chegar perto da Sociedade Esportiva Palmeiras.

******

Uma emocionante homenagem desta coluna a Rogério Ceni – 1
Depois de ser homenageado pela imprensa como se fosse o maior jogador de todos os tempos, Rogério Ceni agora também será aclamado por A Vida dos Outros. Afinal de contas, ele merece!

Então, vamos lá. Em seus agora 1.000 jogos pelo clube hoje presidido por J. J. Whisky, o goleiro oriundo de Pato Branco (Frango Branco não seria mais apropriado?) tomou 1.153 gols.

Ou seja, o cidadão tem a média de 1,15 perus, digo, gols sofridos por partida que jogou naquela agremiação bambística, digo, futebolística.

Ele também fez 103 gols. Arredondando: para cada gol que Ceni fez, ele tomou dez. Pelo que me consta, goleiro tem como função principal evitar, e não fazer ou tomar gols, não é isso? Logo, haja babação de ovo para esse cara…

******

Uma emocionante homenagem desta coluna a Rogério Ceni – 2
Lógico que não deixaria de relatar alguns prazeres que Rogério Cênico proporcionou a nós, palmeirenses.

Vou me limitar a lembrar de dois desses momentos marcantes. Em 2002, Alex 10 fez seguramente um dos gols mais bonitos da história do estádio Cícero Panetone de Toledo, com direito a humilhante chapéu no tal de Rogério. Coisa linda.

Gentil que ele só, o rapaz tomou um dos maiores frangos de sua carreira no estádio Palestra Itália, em 2008, em partida que eu felizmente presenciei in loco, para meu delírio.

Se você não lembra, foi o primeiro gol do Verdão contra as Meninas, na semifinal do Paulistão 2008, quando Cênico frangou geral em chute de Léo Lima. Ele ainda tomaria mais um, alegrando a torcida alviverde e abrindo caminho para nosso título do Paulistão em 2008.

É por essas e por outras que eu gostaria de agradecer a esse grande goleiro, que se limitou a ver, de fora do campo, o grande Marcos brilhar na conquista da Copa do Mundo de 2002, sem jogar um único minuto e sendo considerado pentacampeão do mundo assim mesmo. Cara de pau é com as meninas de Laudinho…

******

A coisa ta ficando feia lá  pro lado do Pumfexô, gente!
Enquanto isso, em um certo time presidido pela gloriosa Patrícia Tamborim (© André Nery, direitos reservados), a coisa está ficando mais do que feia.

No sábado passado (3), um jogador rubro-negro ainda não identificado teria soltado um pum durante a preleção de Vanderlei (ou Wan Der Ley, ou Wandeco Pipoca, ou Pum Der Ley, ou sei lá!) Luxemburgo.

No dia seguinte, o Menguinho tomou um vareio em casa do inigualável Bahia, e nesta quinta (8), levou uma chacoalhada daquele timinho da marginal sem número, e de virada.

De quebra, Luxa ainda teve de ouvir seu goleiro, o sempre equilibrado Felipe Ex-gambá, soltar a pérola: “antes éramos um time disputando o título, e agora, só nos resta tentar uma vaga na Libertadores”.

É impressão minha ou logo, logo, Ronaldinho Carioca (atual “dono” do rubro-negro carioca) irá fritar seu pofexô? Se liga, Tio, que senão, daqui a pouco seu único “pojeto” será tentar manter o emprego na terra da praia eterna. E olhe lá!

******

Vai rindo enquanto pode, meu caro Derrotite, vai rindo…
Especialista em guardar lugar na ponta da tabela para que o verdadeiro campeão entre em cena no final do Brasileirão, o Ultimão respira aliviado após ganhar do Flajuto. Não deveria.

Após a grotesca invasão feita por cinco torcedores no CT do Clube lá no tal Parque Ecológico (já  passei lá perto, o lugar é assustador, podem acreditar…), ficou claro que qualquer nova derrota do time de Ralf Ralf não será aceita na boa pelos “manos”.

Aliás, o mais engraçado é que o responsável pela manifestação dos quatro integrantes da “Gaviões da Rua São Jorge” e um da “Pavilhão Nove” foi apontado pelo pré-candidato da oposição alvinegra, Osmar Stabile. Leia o que ele declarou à Folha de S.Paulo no dia 8/9:

“Quem incitou a torcida foi aquela entrevista irresponsável do Andrés”.

Ou seja, quem botou fogo no circo foi o próprio dono da lona, André Sanche, o adorável comedor de esses e amigão do Goleiro Verde. Vamos ver o que rolará no próximo tropeço. Será uma delícia!

******

Adriano Imperatriz x Luis Pipoqueiro, quem estréia primeiro?
Vocês conseguem imaginar se Adriano Imperatriz e/ou Luis Fabiano tivessem sido contratado(s) pelo Palmeiras e estivessem há meses ameaçando estrear, sem que isso ainda tenha ocorrido? Tremo só de pensar…

Pois a novela continua em nossos rivais, e as apostas ainda podem ser feitas. Já se vão seis meses, no caso de Luis Pipoqueiro (apelido “carinhoso” que o atacante recebeu da torcida do tricolixo em sua última passagem pelo clube), e algo em torno disso no caso de Adriano.

Pois o nome deles surgiu no noticiário desta semana de forma no mínimo divertida. Enquanto Pipoqueiro continua naquela história de “movimentos com bola” e outros “me engana que eu gosto”, o rival alvinegro virou psicólogo ou coisa que o valha.

Segundo o zagueiro cangaceiro Willian, Adriano teria feito um discurso motivacional para os colegas antes da partida contra o Flamengo, clube que o revelou. Dá para encarar? Jogar bola, que é bom, necas de pitibiribas. Meu Deus…

******

Semana que vem tem mais, se Deus quiser! Agradeço aos patéticos adversários, sempre me fornecendo boa munição, e aos freqüentadores de Mondo Palmeiras! E nunca se esqueçam: o bom-humor ajuda a evitar ataques cardíacos, derrames, tentativas de suicídio etc