A vida dos outros

Considerações e ironias referentes aos outros clubes que, para infelicidade deles, nunca conseguirão sequer chegar perto da Sociedade Esportiva Palmeiras.

******

Nada como ser otimista, não é, Rogério Lourenço?
Exatamente como nos filmes de mistério de antigamente, nos quais o mordomo era sempre o culpado, no futebol a corda sempre arrebenta para o lado do treinador. Só que alguns deles parece que não se dão conta desta triste realidade. Rogério Lourenço, do Flamengo, por exemplo. Ele não ganha há quatro jogos, o que colocou sua equipe na décima posição do Brasileirão.

No entanto, o cidadão acha que os resultados foram normais, e ainda convocou o flamenguista, segundo ele o 12º jogador do clube, para ajudar neste sábado (14) às 18h30 contra o Ceará. Se não ganhar, tremo só de pensar o que essa torcida e, principalmente, os dirigentes do urubu farão com o treineiro…

******

Grêmio tenta a sorte grande imitando rival Internacional
Quando o Inter (RS) contratou Celso Roth com a missão de ganhar a Libertadores 2010, muitos acharam uma loucura. Só que a façanha está em vias de se concretizar. Então, o Grêmio deve ter pensado que imitar a aposta maluca do eterno rival poderia ser uma boa. Só isso explica a contratação de Renato Gaúcho para o cargo antes ocupado por Silas.

Sem títulos significativos para apresentar e vivendo fase decadente, o ex-craque estava comandando o Bahia na Segundona do Brasileiro. Se der certo, será a prova de que, sim, dois raios podem cair um bem pertinho do outro, e em pouco tempo.

******

J. J. Whisky gasta muito e tem quase nada de retorno com base
Enquanto isso, um certo clube situado no Jardim Leonor continua dando aulas de planejamento…furado! Segundo matéria publicada na edição desta sexta (13) no caderno Esporte da Folha de S.Paulo, o presidente J. J. Whisky investiu nos últimos quatro anos em torno de R$ 41 milhões em suas categorias de base, antes um celeiro de jogadores promissores.

Nesse período, apenas o zagueiro Breno conseguiu se firmar na equipe principal. Só em 2007 e 2008, 89 atletas levaram o cartão vermelho na equipe rosa. Como é praxe por lá, botaram a culpa do fracasso nos treinadores Muricy Ramalho e Ricardo Gomes, que teriam tido má vontade em relação às “revelações”. Como é duro ser mordomo, digo, técnico nesse Brasil!

******

O sucesso tem seu preço no futebol brasileiro
O Santos foi o time brasileiro mais bem-sucedido no ano até o momento. Ganhou dois títulos, revelou jogadores e é hiper badalado, embora tenha apanhado do Verdão duas vezes no ano (freguês é assim mesmo). No entanto, a alegria peixeira parece estar com os dias contados. Robinho voltou para a Inglaterra, André foi vendido e tudo leva a crer que Neymar em breve também afivelará suas malas e seguirá rumo ao aeroporto.

Paulo Henrique Ganso poderá completar o dramático quadro de desfalques. O sucesso custa caro. Uma avant premiére do que poderá ser 2011 para o time do litoral foi a derrota em casa para o Avaí por 3 a 1 na partida de ida na Copa Sulamericana. Um futuro nada animador. E ainda tem o Brasileirão 2010.

******

Cruzeiro merece todos os agradecimentos do mundo
Se há um time com o qual precisamos ser gratos é o Cruzeiro. Ex-Palestra Itália como nós, a equipe mineira nos fez dois grandes favores em 2010. O primeiro foi não criar problemas para o retorno de Kleber Gladiador às hostes alviverdes, jogador que se identifica com nossa gloriosa camisa às mil maravilhas.

O segundo possivelmente vai ainda além: levaram para Belo Horizonte o zagueiro Léo, que desde que veio do Grêmio para o Alviverde Imponente só nos fez passar nervoso e vergonha. Valeu, irmãos mineiros, brigadão e boa sorte com o glorioso beque de fazenda. Aliás, nem isso…

******

Semana que vem tem mais, se Deus quiser! Agradeço aos patéticos adversários, sempre me fornecendo boa munição, e aos freqüentadores de Mondo Palmeiras! E nunca se esqueçam: o bom-humor ajuda a evitar ataques cardíacos, derrames, tentativas de suicídio, etc…

******

Ouça também o Torpedo Verde, o boletim diário de Mondo Palmeiras.