A melhor entrevista coletiva da história do futebol brasileiro

Os mais novos talvez não saibam como as coisas funcionavam antes da era das enfadonhas “entrevistas coletivas”. O repórter chegava direto na beira do campo depois do treino e perguntava o que queria para o jogador.

Dependendo da relação entre os dois, a gente conseguia ouvir coisas interessantes saindo da boca do jogador. Muitas vezes, o jogador falava o que ele realmente estava sentindo, qual era a sua expectativa para um clássico, etc…

Depois que isso acabou, sobram declarações vazias, pasteurizadas e que não empolgam nem jornalistas ou torcedores. Ninguém pode falar isso sobre a primeira coletiva do Felipe Melo.

O cara chegou com tudo! Mostrou jogo de cintura, autenticidade e, principalmente, foi sincero demais. Sincero como deviam ser sempre, mas falta culhão e personalidade para isso.

Primeiro, o volante tratou de rebater o papo de que é um jogador violento. Deixou bem claro que foi expulso quatro vezes nos últimos cinco anos. Realmente é muito pouco para um “cão de guarda” do meio campo.

Felipe elogiou muito a estrutura do clube, os métodos de trabalho do técnico Eduardo Baptista e a qualidade do grupo. Ele também se mostrou feliz por jogar ao lado do fenômeno Zé Roberto e do amigo Michel Bastos.

Talvez o melhor momento da entrevista tenha sido quando ele falou sobre a falta de união da sua classe (jogadores de futebol). Sem generalizar, Felipe lembrou daqueles comentaristas de baixo nível que atacam inclusive a honra dos atletas e fica tudo por isso mesmo.

Pode ser até que ele tem exagerado na comparação com terroristas, mas isso serviu para ilustrar que o mal prevalece nessas pessoas e que isso não pode ser tolerado. Isso é inegável.

Perguntado sobre o seu clube do coração, Felipe tratou de negar qualquer negociação com o Flamengo e ironizou um cartola do clube carioca, que por sinal poderia ser humorista. Bem, quem tem o Marcio Araújo, não vai querer o Felipe Melo, certo?

Bem, eu jamais contrataria o Felipe Melo, mas nem por isso vou torcer contra o jogador e muito menos negar que essa foi a melhor coletiva que já vi na Academia de Futebol. E já vi muitas.

Nessa era em que os empresários, assessores e aspones controlam quase tudo que acontece no mundo do futebol, um jogador como o Felipe Melo chega para abalar as estruturas e trazer um sopro de vida e sinceridade.

E sendo bem sincero…depois dessa virei fã do pitbull. Torço para que agora, o Felipe também faça a diferença dentro de campo. E ele tem tudo para fazer.

Abraço a todos!