A diferença entre homens e garotos

Caros palestrinos, citarei um clube hoje que não tem nenhuma ligação com o Alviverde Imponente, mas gostaria de lembrar tal feito.

Em meados de 1940 a cruel ditadura nazista de Hitler se espalhava pela Europa e em pouco tempo chegou a Kiev, capital da Ucrânia, a população local foi condenada sem motivos à indigência, os clubes de futebol foram fechados, apenas estabelecimentos de alemães poderiam funcionar.

No meio dos miseráveis havia o ídolo do Dinamo Kiev, Nikolai Trusevich. E morava também em Kiev um padeiro Josef Kordik (torcedor fanático do Dinamo) que reconheceu seu grande ídolo e deu emprego e moradia (tudo de maneira “ilegal”), com o passar do tempo a dupla começou a recuperar os jogadores do Dínamo e de outros times ucranianos das ruas geladas.

Então, nasceu o poderoso FC Start que em todos os jogos destroçou seus adversários (na maior parte times de nazistas), goleadas incríveis, isso irritou ao Führer. O melhor time possivel foi montado pelos “arianos”, de nada adiantou, outra humilhação: 5×1.

Com isso o nobre padeiro foi desmascarado, mas os nazistas não queriam matar, pareceriam derrotados, eles queriam ganhar do FC Start e depois mata-los, então um jogo foi marcado antes da execução.

A equipe ucraniana se preparava para o jogo, quando aparece um membro da SS e disse: “Serei o juiz do jogo, respeitem as regras e saúdem o Führer!”, na hora da saudação eles levaram a mão ao peito e disseram “-Fizculthura!”. A bola rolou, o primeiro tempo se foi e o FC Start ganhava por 2×1, no vestiário receberam um aviso que chegou armado: “Se ganharem o jogo morrerão!”. Pensaram em abandonar o jogo, seria uma atitude digna de um time de três cores.

Enfim, voltaram ao campo e enfrentaram a violência do time alemão, mas estavam ganhando por 5×3 e já no final do jogo o atacante Kalimenko “quebrou a espinha” do goleiro alemão com um drible e ficou cara a cara com a meta e ao invés de fazer o gol ele preferiu decretar a humilhação dos nazistas e num símbolo de desprezo deu meia volta e deu chute em direção ao centro do gramado, o estádio veio a baixo.

Para não gerar problemas os nazistas deixaram o time sair do estádio, mas após mais uma partida do FC Start, goleada de 8×0 sobre o Rukh, todos os jogadores e o padeiro foram cruelmente torturados e morreram, alguns nos campos de concentração.Restaram dois sobreviventes: Goncharenko e Sviridovsky que não estavam na padaria no dia fatídico.

*Esta história está no livro “Futebol & Guerra”.

Aqueles verdadeiros heróis jogaram como atletas contra os guerreiros nazistas e mostraram que não precisa ser guerreiro em campo basta ser apaixonado pela vitória! Não queremos ver apenas nomes e cifras em campo, não queremos ver guerreiros, queremos ver respeito com o que o futebol representa e comprometimento com quem lhes dá o que comer.

Isso mesmo! Estou afirmando que o nosso ídolo Pierre não é um guerreiro, é muito mais que isso, é um jogador apaixonado pela vitória e que mostra em campo um exemplo de civilidade pra qualquer um aplaudir de pé!

E como os tempos mudaram…ver jogadores sacrificando a própria vida, fazendo o possível e o impossível para manter a honra e esperança de um povo sofrido em tempos guerra. E nós, palmeirenses, temos que aguentar jogadores que não perceberam ainda a grandeza que é jogar pela nação Alviverde.

Achamos a diferença entre homens, como Evair, Pierre, Kalimenko e Trusevich e “moleques” que recentemente vestiram o manto sagrado. Os homens mostram seu valor com atitudes dignas, e os” menininhos mimados” preferem contemplar o que acontece a sua volta se reagir e só reclamar, na cabeça deles o problema é o outro, nunca é culpa dele!

Talvez a culpa seja dos tempos de paz e fartura que vivemos, alguns se esquecem do que é honrado e preferem o que é fácil!