Verdão raçudo empata no último segundo

A grande dúvida do torcedor alviverde era de como o seu time atuaria, no primeiro jogo após a dolorida eliminação da Libertadores 2009. Para felicidade de todos, vimos em campo um time aplicado e aguerrido que, se não fez uma partida antológica, ao menos esbanjou determinação e garra. Merecia ter saído de Curitiba com a vitória, mas a equipe do Atlético Paranaense teve um grande aliado, o péssimo juiz Alicio Pena Júnior, que anulou um golaço legítimo de Obina, o melhor em campo. No fim das contas, o empate de 2 a 2 mostra que o Palmeiras continua firme na disputa pelo título do Brasileirão.

Mesmo com a surpreendente entrada de Jumar Bianchi na vaga de Danilo, o Palmeiras fez uma boa apresentação na etapa inicial, contra um adversário que mesmo jogando em casa só se preocupava em se defender e sair para eventuais contra-ataques. Aos 8 minutos, lançamento milimétrico de Diego Souza deixou Keirrison na cara do gol, mas o K9 chutou fraco. Após roubar boa bola do adversário, Wendel avançou, ficou na cara do gol e chutou, para boa defesa de Vinícius, aos 37 minutos. E Paulo Baier exigiu a única defesa de Marcos nesse período do jogo, aos 38 minutos.

Com as entradas de Ortigoza e Obina nas vagas de Diego Souza e Williams, o Verdão voltava mais ofensivo, mas sem grande poder de criação. Aos seis minutos, um lance de bola parada valeu o primeiro gol ao time do Atlético: Paulo Baier cobrou falta e o zagueiro Rafael Santos cabeceou de forma certeira. Aos 15 minutos, Keirrison cruza e Obina finaliza, para boa defesa de Vinícius. Aos 16 minutos, enfim Jumar Bianchi saiu, com Deyvid Sacconi entrando e dando mais mobilidade ao meio-campo alviverde. Aí, aos 22 minutos, o gol de empate: Obina se aproveita de cochilada absurda de Vinícius, rouba-lhe a bola e conclui com categoria. A partir daí, o Verdão tomou conta da partida, criando três grandes chances de gol.

Como futebol não é ciência exata, uma falta bem cobrada por Marcinho pôs o time paraense na frente de novo. Aos 39 minutos, o gol m ais bonito do jogo, feito por Obina, foi pessimamente anulado. O time não se abalou, insistiu até o final, e aos 48 minutos, Keirrison concluiu de esquerda dentro da área, e deu à partida um resultado mais adequado. Porque avalio como péssima a performance de Alicio Pena Júnior: deu dois cartões amarelos absurdos para Wendel e Obina; o violento zagueiro Rafael Santos deu forte cotovelada em Diego Souza (que até teve de ser levado ao hospital por causa disso) e nem amarelo levou, e o gol mal anulado de Obina, entre outras coisas.