2011: o ano que (ainda) não terminou

Por Flavio Canuto

Depois de viver um momento único na história do futebol brasileiro, a procissão de São Marcos, o torcedor palmeirense ainda viu o seu time vencer o Ajax com um gol nos acréscimos.

Estaria tudo bem se não fosse a volta dos mesmos problemas que atormentaram o clube durante o ano de 2011.

É tolice dizer que os problemas voltaram, eu sei. Na verdade, eles continuam lá, assim como a rixa entre Felipão e Roberto Frizzo, o piadista.

Só mesmo a total incapacidade de Roberto Frizzo para comandar o departamento de futebol do Verdão pode ser pior do que a teimosia do treinador com alguns atletas.

Se é que alguém ainda não sabe, Felipão criticou o cartola palmeirense durante a entrevista coletiva, acusando-o de atrapalhar as negociações do clube com suas piadas infames.

Logo em seguida, Frizzo tratou de rebater o treinador para a alegria dos algozes da grande mídia, sempre buscando o pior.

A única pessoa lá dentro que teoricamente está acima dos dois e poderia fazer algo é Arnaldo Tirone,  mas que é a garantia de que tudo continuará como está.

Só mesmo a torcida, que mais uma vez fez a sua parte no Pacaembu, pode forçar a dividida oposição política do clube a exigir mudanças no comando do futebol palmeirense.

Os erros de 2011, um dos piores da história, devem servir para alguma coisa. E vão servir…

Abraço a todos!